Variedades 2 meses atrás | Redação

Você conhece os padrões de cores para impressão RGB e CMYK?

Com o avanço das tecnologias de impressão, os padrões de cores para impressão mais eficientes tornaram-se o RGB e o CMYK.

por Revista FHOX

Com certeza já deve ter ouvido falar nos padrões de cores para impressão — principalmente se trabalha no setor de TI, gráfica ou em outro segmento que lida diretamente com copiadoras.

Com o avanço das tecnologias de impressão e de monitores de TV, computadores e celulares, muitos sistemas de cores foram desenvolvidos, mas poucos ganharam tanta relevância. Imperam dois considerados os mais eficientes: o RGB e o CMYK.

Vamos entender como funciona cada um.

O padrão de cores RGB:

RGB é uma sigla composta pelas letras inicias de três cores em inglês: red (vermelho), green (verde) e blue (azul). Assim, esse sistema de cores é constituído à base de emissão de luz — ou seja, combina uma variação de tonalidades de luz para formar a cor exibida na tela.

Trata-se de um padrão aditivo, que adiciona e combina cores para formar novas tonalidades, sem depender da luz externa. Monitores de TVs e de computadores, telas de celulares, tablets e câmeras fotográficas são equipamentos nos quais esse padrão de cores é mais utilizado e funciona melhor.

Ao combinar as três cores, obtém-se mais luz, formando a cor branca. Por outro lado, quando se sobrepõem as cores em pares (de duas em duas), ganha-se as três cores primárias (amarelo, magenta e ciano).

RGB
RGB. Imagem: Free Pik.

Cada cor do sistema RGB tem uma identificação numérica, muito utilizada em softwares de projetos visuais, como o Photoshop por exemplo. Essa representação é formada por três números, que variam cada um entre 0 e 255, representando a sua intensidade de vermelho, verde e azul, respectivamente.

O padrão RGB também se destaca por ter uma escala de cores bem maior que o CMYK.

O padrão de cores CMYK:

Diferente do RGB, que é uma “cor luz”, o CMYK é um padrão de cores formado por pigmentação. Esse sistema é o mais utilizado pela indústria gráfica, como a impressão de revistas, jornais, embalagens e outdoors.

CMYK também é uma sigla e compõe as letras iniciais das palavras ciano, magenta, yellow (amarelo) e key. A curiosidade aqui é esta palavra “key” — chave, em português — que representa a cor preta, considerada a tonalidade-chave nesse sistema.

Em vez de um padrão aditivo, como o RGB, o CMYK adota um padrão subtrativo, formado por um tipo de pigmento sólido. Quando esses pigmentos se sobrepõem, o resultado obtido é uma tonalidade mais escura. Então, misturando os quatro pigmentos do CMYK, diversas tonalidades de cores são obtidas, aumentando as possibilidades na hora de imprimir um projeto.

CMYK
CMYK. Imagem: Free Pik.

Como todas as cores se sobrepõem nesse sistema, a impressão é chamada de “cromia”. O que diferencia uma cor da outra, nesse caso, é o percentual de cada pigmentação utilizada. Por exemplo: C: 22% M: 34% Y: 31% K: 19%.

E se na hora da impressão, você deseja migrar do RGB para o CMYK, considere a eficiência das impressoras Canon. Clique aqui e saiba mais.

Com informações do site Canal de Tecnologia.