Variedades 1 ano atrás | Thalita Monte Santo

Pela primeira vez, Copa do Mundo é fotografada por uma mulher iraniana

Conheça Mona Hoobehfekraniana, que luta contra veto imposto às mulheres em seu país e sonha com o dia em que elas poderão exercer suas profissões em igualdade

por Revista FHOX

Discreta ao entrar no gramado, Mona Hoobehfekraniana carrega sua câmera, uma lente e uma mala com seus equipamentos. Tentando buscar um espaço em meio a maioria esmagadora de homens, a jovem fotógrafa sua primeira Copa do Mundo.

Esta poderia ser só mais uma história de uma mulher realizando um sonho profissional, mas a simbologia de sua presença vai muito além disso.A  iraniana é a primeira fotógrafa de seu país a trabalhar em um Mundial.

Em seu país, nenhuma mulher pode cobrir esportes masculinos. “Nunca tive a chance de ir ao estádio torcer, mas sempre acompanhei pela televisão. Tem sido especial”, disse.

fotógrafa
Mona Hoobehfekr é a primeira fotógrafa iraniana a cobrir uma Copa (Foto: Arquivo pessoal)

Sem deixar a tradição e os costumes de lado, usando o véu, o restante do contexto só prova mais uma vez que ocupar espaços e garantir direitos nunca foi e nem será um desrespeito a crença alguma. A fotógrafa é uma mulher jovem e está ocupando um espaço sem precedentes para seu país.

No Irã, as mulheres são proibidas de frequentar estádios e ginásios em eventos esportivos desde 1981. Pela lei local, elas não têm livre acesso às arenas. Até 1987, elas não podiam nem sequer assistir às partidas pela televisão. O lugar que Mona está ocupando, além de muito simbólico, e revolucionário.

Leia também: Bebês em clima de Copa do Mundo

“Espero que essa seja uma forma de abrir o caminho para outras colegas, mulheres, chegarem a cobrir uma Copa do Mundo. Eu sou otimista, acho que um dia as mulheres no Irã terão o direito de frequentarem estádios”, disse, ciente de que para muitos em seu país, sua presença neste ambiente pode ser incômoda.

fotógrafa
Torcedora do Irã no jogo contra a Espanha (Foto: Fifa)

Mona não ”luta” sozinha. Ao longo dos últimos anos, as mulheres de seu país têm brigado pelo direito de entrar em estádios de futebol. A cada nova classificação do Irã para uma Copa do Mundo, os jogadores costumam comemorar no principal estádio do país, o Azadi, e elas sempre se fazem presentes. Após a classificação para o Mundial de 1998, cerca de três mil torcedoras invadiram o local para vibrar com a equipe.