News 2 meses atrás | Redação

Pirelli anuncia Albert Watson como seu fotógrafo de 2019

Além de ser conhecido, também, por fotografar Alfred Hitchcock e Steve Jobs, Watson já teve exposições solo na Itália, China, Suécia, Estados Unidos, Reino Unido e Alemanha

por Revista FHOX

O fotógrafo escocês Albert Wason, de 75 anos, foi o escolhido para assinar as imagens do próximo calendário da Pirelli em 2019. O primeiro trabalho de moda do escocês aconteceu para a “Vogue” americana, em 1976, ano em que ele se mudou de vez para Nova York, depois de trocar Edinburgo por Los Angeles. De lá para cá, foram mais de cem capas da revista pelo mundo, além de retratos para “Rolling Stones” e “GQ”.

Ele também já trabalhou para grandes marcas como Blumarine, Revlon e Chanel e clicou pôsteres dos filmes “Kill Bill”, de Quentin Tarantino, e “Memórias de uma gueixa”, de Rob Marshall. Além de ser conhecido, também, por fotografar Alfred Hitchcock e Steve Jobs, Watson já teve exposições solo na Itália, China, Suécia, Estados Unidos, Reino Unido e Alemanha.

Pirelli
Albert Watson em foto para Pirelli – Divulgação

A empresa italiana de pneus, no entanto, ainda não divulgou data de lançamento da folhinha nem quem será fotografado pelo escocês. O tradicional tradicional calendário, conhecido por unir fotógrafos estrelados e top models no auge da fama, tem mudado seu perfil nos últimos anos.

Em 2018, a Pirelli convidou o fotógrafo Tim Walker para realizar um ensaio inspirado no universo de Alice no País das Maravilhas, com um elenco de grandes artistas negros de todo o mundo.

E a publicação foi destaque em diversos portais de notícias internacionais. Nomes como Whoopi Goldberg, Lupita Nyong’o e Lil Yachty participaram do ensaio e revivem os personagens e o fantástico e simbólico universo de Alice, criado pelo escritor inglês Lewis Carrol em 1865.

Leia também: Da série gambiarras fotográficas: o smartphone dando uma força para o fotógrafo de casamento

história do Calendário Pirelli pode ser dividida em três épocas diferentes:
a primeira década, de 1964 a 1974, que foi seguida por uma quebra na publicação (durante nove anos), devido à recessão mundial desencadeada pela guerra do Yom Kippur e pela crise do petróleo.

E a segunda década, de 84 a 94, onde o Calendário foi relançado e tornou-se progressivamente mais bem-sucedido. De 1994 até o hoje ele abrange a virada do milênio, período durante o qual “The Cal” alcançou status cult como um pioneiro.