Participe do SIM. Semana do Imaginário Materno!

Os bastidores de uma das fotos “mais demoradas” da história

Realizada com técnica pinhole, fotografia teve tempo de exposição de oito anos

Foto de longa exposição tirada por Regina Valkenborgh (Crédito: University of Hertfordshire)

Usando uma técnica de fotografia, Regina Valkenborgh, do Reino Unido, pode ter sido a responsável por fazer a foto com o maior tempo de exposição já registrado. A fotógrafa capturou o nascer e o pôr do sol na Universidade de Hertfordshire, na Inglaterra, por oito anos. A fotografia havia sido esquecida no interior de uma lata de sidra, bebida típica da região, desde 2012.

Após terminar seu mestrado em Belas Artes na universidade, Regina queria registrar mais imagens ao estilo antigo. Ela já havia feito vários experimentos com a técnica pinhole, utilizando uma câmera “improvisada”, como maneira de conseguir imagens interessantes sem precisar recorrer às tecnologias mais modernas. Nesse caso, ela usou uma lata de cerveja forrada com papel fotográfico.

Regina havia espalhado diversas câmeras pinhole pelo Observatório Bayfordbury da Universidade de Hertfordshire, mas depois abandonou o projeto. Tudo foi montado em 2012 e apenas em setembro de 2020 a câmera foi achada e aberta. Uma das surpresas dos pesquisadores que encontraram a câmera foi o fato dela estar intacta, sem quaisquer prejuízos por umidade – algo incomum a essas câmeras. A câmera achada estava anexada a um telescópio na universidade.

Regina Valkenborgh (Crédito: Archant)

O resultado do experimento de Regina foi uma foto bastante artística. Afinal, a câmera captou cerca de 2.935 rastros em arcos do sol, gerados a partir dos movimentos do nascer e do pôr do sol ao longo dos anos. Na imagem também é possível visualizar a cúpula do telescópio mais antigo de Bayfordbury e o pórtico atmosférico, que foi construído enquanto a foto estava sendo tirada.

O que é a câmera pinhole

Também conhecida como câmera estenopeica, a câmera pinhole é uma máquina fotográfica sem lente que consegue captar imagens a partir de algum tempo de exposição, ou seja, é necessário deixar a câmera imóvel por um tempo para que a imagem possa ser formada. Por conta disso, o método é utilizado principalmente para registrar mudanças nos cenários urbanos e rurais, além de captar paisagens. 

A imagem produzida em uma pinhole apresenta uma profundidade de campo quase infinita, tendo um foco suave em todos os planos da cena, com praticamente tudo estando focado

Como fazer em casa uma foto com a técnica pinhole

É possível realizar esse experimento em casa com instrumentos baratos. O mais comum é utilizar uma lata, em que é necessário fazer um furo. Normalmente, o furo é feito com a ajuda de um prego ou a ponta de uma agulha, dependendo da grossura da lata. Fora o pequeno buraco feito, a lata não deve ter nenhuma outra entrada de luz..

Posicionado na região contrária ao furo, coloque um papel fotográfico. Depois disso, basta posicionar a lata em um local com boa luminosidade e deixá-la lá por um tempo. É possível ver o resultado em um período bem menor do que os oito anos do experimento de Regina Valkenborgh.

Além da versão caseira, a câmera pinhole pode ser construída em versões maiores e com materiais mais duráveis, para quem quer testar a técnica de forma profissional. Nesse caso, dependendo da rigidez do material escolhido para a caixa, pode ser necessário o uso de uma ferramenta mais potente, como uma furadeira, para fazer o furo.