News 3 anos atrás | Diogo Amorim

Infância livre de consumo e tecnologia é tema de fotolivro

O projeto está no Catarse e vai até 13/9. Conheça o "Retratos pra Yayá" idealizado pelos fotógrafos Irmina Walczak e Sávio Freire

por Revista FHOX

“’Retratos pra Yayá’ é um projeto fotográfico iniciado em meados de 2012. Uma espécie de diário fotográfico sobre nossa filha – Yasmin, carinhosamente chamada Yayá, – e sua infância vivida à moda antiga: livre de consumo, televisão, tecnologia e próximo às pessoas queridas e à natureza”, explicam Irmina Walczak e Sávio Freire, fotógrafos e pais de Yayá.

O projeto está no Catarse e vai até 13/9Panoptes Fotografia
O projeto está no Catarse e vai até 13/9

O projeto criado por Irmina e Sávio, fundadores da Panoptes Fotografia, está na plataforma Catarse e tem como objetivo criar o primeiro livro de fotografia relacionado à infância livre no Brasil.

Ao longo dos anos as fotos feitas quase que diariamente, em um pedacinho do cerrado que invade o quintal dos pais de Yayá, foram publicadas nas redes sociais, revistas de fotografia e diversas plataformas virtuais. Algumas delas foram até premiadas em concursos internacionais.

“Agora chegou a hora de depositá-las num lindo livro que vai celebrar não somente a fotografia, a fotografia de família em especial, mas também aquela infância que desejamos para nossas crianças”, comentam.

Os números da campanha e os parceiros do “Retratos pra Yayá”
Uma ilustração inspirada nas fotos do projeto Retratos pra Yayá feita pela ilustradora, Basia Grzybowska Flores. Basia é polonesa, mas há 2 anos mora no Brasil e aqui desenvolve seus projetos artísticos. Esta é a primeira de várias ilustrações que ela está desenvolvendo em apoio ao projeto.Basia Grzybowska Flores
A arte inspirada nas fotos do projeto “Retratos pra Yayá” foi criada pela ilustradora Basia Grzybowska Flores. Basia é polonesa e há 2 anos mora no Brasil, onde desenvolve seus projetos artísticos. Esta é a primeira de várias ilustrações que Basia está desenvolvendo em apoio ao projeto.

Até a data de hoje, 9/8, o valor arrecadado foi de R$ 13.750, apoiados por 111 pessoas. O que dá 30% de projeto viabilizado. A meta é alcançar R$ 45.000 e está no “Tudo ou Nada” do Catarse. Ainda dá tempo de contribuir!