Apoie a FHOX Impressa e garanta recompensas incríveis!


Entenda técnica que manteve personagem de Domingos Montagner na trama da novela

Os fãs da novela Velho Chico se emocionaram com a solução da Globo para manter o protagonista Santo até o fim da trama após a morte do ator Domingos Montagner. A produção decidiu usar a câmera subjetiva, um recurso no qual o ator encara a câmera como se ela fosse Santo e o espectador olha a cena no lugar do protagonista.

[media-credit name=”Rede Globo/Divulgação” align=”alignleft” width=”800″]velho-chico[/media-credit]

Na linguagem técnica, a câmera que mostra o ponto de vista de algum personagem é chamada de subjetiva. Diferentemente da câmera objetiva, que apresenta os acontecimentos com neutralidade, ela incorpora a própria visão de alguém. Acaba, invariavelmente, potencializando a imersão do espectador na trama. Uma particularidade de Velho Chico é que, além das imagens de caráter subjetivo, há também o áudio – palavras ditas por Montagner em capítulos anteriores e até os ruídos de sua respiração estão sendo reproduzidos nas sequências apresentadas.

Confira alguns vídeos aqui.

O homem por trás da câmera é Leandro Pagliaro. No set, ele chegou a usar um sapato mais alto para ficar na mesma altura do ator e as imagens foram feitas usando uma lente especial, refletindo mais a luz. “Aquilo tudo é uma resposta sensitiva. Eu olhava pelo visor da câmera e ao mesmo tempo olhava muito além, você vai sentindo. Se fosse ensaiado não sairia daquele jeito. As cenas têm muita força, ele continua com a gente. É impossível substituir a figura do Domingos”, diz.

[media-credit name=”Rede Globo/Divulgação” align=”alignleft” width=”800″]velho-chico-1[/media-credit]

Pagliaro estudou cinema em Vancouver, no Canadá, e foi assistente de fotógrafos em Nova York e Los Angeles, nos Estados Unidos. Ao retornar ao Brasil, trabalhou como fotógrafo de moda, mas um convite para participar das filmagens da série Suburbia, em 2012, feito pelo diretor Luiz Fernando Carvalho, responsável pelas cenas de Velho Chico, mudou a trajetória do profissional: “Foi ele quem me ensinou a filmar. Eu tinha noção de enquadramento, de proporção, mas aprendi a não deixar esse vazio entre o ator e a câmera, a contar uma história sem essa barreira gigante entre humano e tecnologia”, disse Pagliaro ao UOL.