News 1 mês atrás | Redação

Como a tecnologia transformou a fotografia

A evolução do daguerreótipo à câmera dos smartphones

por Revista FHOX

(Crédito: divulgação)

 

É estranho pensar a atualidade hoje sem a presença da fotografia, parte fundamental para registrar momentos. A partir dela, há movimentação de diversos segmentos indispensáveis à sociedade moderna, sejam eles para fins de entretenimento, notícias e jornalismo ou até mesmo para registro oficial – a foto da cédula de identidade, por exemplo.

 

Do momento da captura de uma imagem até a versão que enxergamos digitalmente na palma da nossa mão – seja em um simples dispositivo móvel ou mesmo em uma câmera fotográfica –, entretanto, há um caminho de pelo menos 194 anos.

 

O registro de um primeiro momento

(Crédito: divulgação)

 

A primeira “máquina fotográfica”, que na verdade era chamada de daguerreótipo, começou a ser comercializada na França, em 1839. No entanto, a primeira fotografia foi tirada alguns anos antes, entre 1826 e 1827, e fazia o uso de outra técnica de captura. Na época, para ter o registro fotográfico, Joseph Nicéphore Niépce usou da heliografia, um método que exigia oito horas de luz solar. O resultado desse momento ficou conhecido como “Vista da janela em Le Gras”. Alguns anos depois, Louis-Jacques-Mandé Daguerre (o criador do daguerreótipo) facilitou o processo e reduziu o tempo de horas para alguns minutos.

 

É válido dizer que a criação da fotografia é bastante incerta. Há quem diga que o criador foi Louis-Jacques-Mandé Daguerre, enquanto outros pesquisadores acreditam que o inventor na verdade foi o inglês Henry Fox Talbot, que desenvolveu outro processo de captura no mesmo período.

 

O primeiro grande avanço na história da fotografia veio em 1884. A criação do rolo de filme, desenvolvido pelo americano George Eastman, foi responsável pela origem da empresa Kodak (1888) e disseminou o método que utilizava os rolos substituíveis. Esse processo foi responsável pela popularização da fotografia, que nesse momento já não necessitava de um fotógrafo profissional.

(Crédito: divulgação)

 

No início do século XX, a fotografia ganhou ainda mais o caráter popular, sobretudo pelo tamanho da câmara. Outro fator fundamental foi o alastramento da indústria cinematográfica, até que a tecnologia transformou as câmeras em utensílios relativamente acessíveis e móveis. As câmeras analógicas – aquelas que são usadas para revelar fotos – foram um divisor de águas para a época, até serem substituídas pelo processo digital.

(Crédito: divulgação)

 

O que intriga, no entanto, vai na linha do desenvolvimento tecnológico: como a fotografia partiu de oito horas de exposição de luz e chegou a um milésimo de segundo dentro de um smartphone?

 

O caminho, que tem quase dois séculos, foi longo. Do daguerreótipo foram surgindo novas técnicas e aperfeiçoamentos, como a produção do rolo de filme, por exemplo, em 1884, até a produção do cinema e as novas fórmulas de pensar a câmera fotográfica como é hoje.

 

A fotografia em constante mudança

(Crédito: divulgação)

 

Apesar de fazer parte do cotidiano da sociedade em que vivemos, as mudanças tecnológicas na fotografia se reinventam a cada dia. A tendência é criar dispositivos cada vez mais acessíveis e mais portáteis, com mais qualidade e resolução. 

 

É possível perceber que até mesmo os caminhos inversos estão mais atualizados: hoje, o estilo vintage reclamou a fotografia antiga como parte da moda. Seguindo no caminho inverso, as câmeras Polaroid ganharam notoriedade nos últimos anos pela impressão das fotos em formato físico e instantâneo.

 

Para o futuro, é interessante ficar de olho na tecnologia artificial: uma série de aplicativos já faz a mesclagem e a edição fotográfica em segundos, o que movimenta também o mercado audiovisual e o leva a um novo patamar.