Mercado News 9 meses atrás | Redação

A visão da Canon para impressão no mercado fotográfico

Shohei Hizawa falou das oportunidades e de como a empresa enxerga a dinâmica para o mercado daqui para frente.

por Revista FHOX

Engana-se quem pensa que hoje a Canon só domina o campo de equipamentos fotográficos. Seu
portfólio vai muito além disso e surpreende. Com produtos que atendem da captura (câmeras/
scanners) à saída (impressoras), a marca japonesa se sobressai também entre printers de fotos
e álbuns gráficos. Só no Brasil, por exemplo, a Canon possui um expressivo parque instalado de
mais de 200 equipamentos da linha imagePRESS.

Segundo Shohei Hizawa, executivo responsável pela área de impressão para negócios da Canon do Brasil, o objetivo da multinacional é trazer cada vez mais soluções inteligentes, confiáveis e acessíveis para simplificar a produção de produtos únicos, proporcionar diferenciais e gerar alta rentabilidade.

O executivo acredita que há um campo enorme para se explorar e trabalhar no Brasil. Confiante,
ele diz que a marca enxerga, aqui, um grande potencial no mercado de impressão digital. Inclusive, a marca já tem apostado em diversas mídias e formatos para seus dispositivos.

“Quase todos os tipos de mídia importantes já estão disponíveis nas impressoras Canon. Não
apenas para mídias e formatos padrão. Trabalhamos com as maiores e principais empresas de
substratos do mercado, como a Canson, Hahnemuhle e Mitsubishi”.

Quanto à indústria de impressão de álbuns de fotos, o executivo ressalta que a Canon é a única
empresa que atua com as duas principais tecnologias no País: laser (linha imagePRESS) e inkjet
(linhas imagePROGRAF e Dreamlabo). Algo que nenhum outro fabricante possui neste mercado.
“O cliente possui uma gama ampla para comparar com concorrentes”, enfatiza.

Representação estratégica para alcançar ainda mais  pessoas

De acordo com Hizawa, a Canon está pronta para expandir seu leque de atuação e chegar até mais
pessoas que acreditam no valor da impressão. Ele conta, inclusive, que a transição e integração
da loja de foto, ou laboratório profissional, para o comércio eletrônico, com pedidos via dispositivos móveis já está em planejamento estratégico. Tanto é que, hoje, mais de 20% de suas vendas de câmeras e lentes são feitas através do comércio eletrônico no Brasil.

canon
Douglas Cho e Oscar Sakaue, chegando para construir um programa Canon dedicado aos Laboratórios profissionais e amadores.

Para o mercado de printers a aposta na expansão é tão grande que, recentemente a Canon ganhou mais uma representação de peso no Brasil. A BM Works, liderada por Douglas Cho, está unindo experiência e credibilidade para expandir ainda mais o leque de vendas da multinacional.

Nessa nova empreitada, Oscar Sakaue, que já passou por Noritsu, Kodak e Fujifilm do Brasil ao
longo de 20 anos, uniu-se à empresa para conduzir a estratégia comercial.

Para Sakaue, a BM Works acumula um know-how inigualável. Algo que nenhuma outra revenda ou player consegue bater, pois atua há décadas no segmento fotográfico de labpro, encadernadoras, formaturas, fine art e varejo de fotos.

“A BM Works é o único parceiro Canon com expertise em todos os segmentos do mercado.
Utilizando-se deste diferencial, atuará na expansão da marca, desenvolvimento dos negó-
cios, execução e consolidação do plano estratégico”, diz.

O que se pode esperar dessa nova parceria?

A BM Works garante que será elo na intermediação entre Canon e seus clientes. Pois, além de
segurança na construção de negociações sólidas, com profissionais de décadas de expertise
no mercado fotográfico, Cho e Sakaue conhecem e entendem as particularidades do setor.
Bem como as tendências de futuro para o sucesso dos negócios. Quanto às expectativas, eles
afirmam que são as mais positivas.

“A BM Works está muito confiante nesta nova parceria e acredita que, juntamente com a Canon, poderá contar lindíssimas histórias de sucesso de seus clientes”, explicam.

André Borges Gomes
André Borges Gomes, consultor em tecnologia gráfica, com especialização em gerenciamento de cores e tratamento de imagem digital.

Oportunidades para quem deseja migrar do RGB para o CMYK

A BM Works vai atuar exatamente para poder mostrar que trabalhar com impressoras Canon é sinônimo de versatilidade. Isso se encaixa, inclusive, para adeptos aos minilabs. Quem está acostumado a trabalhar com eles enfrenta uma série de dificuldades ao fazer a transição para uma impressora que trabalha com CMYK.

Segundo André Borges Gomes, consultor em tecnologia gráfica, com especialização em gerenciamento de cores e tratamento de imagem digital, uma parte importante desse processo é entender os aspectos e as vantagens da conversão do RGB para o CMYK.

Hoje, a Canon oferece produtos para os diferentes mercados. São opções que vão desde impressoras fine art de pequeno porte, como as da linha ImagePROGRAF, até impressoras especificamente voltadas para o mercado fotográfico de grande tiragem.

“As pessoas não sabem todos os recursos que a máquina apresenta. Quando você compra uma impressora dessas, ela tem uma quantidade enorme de possibilidades e alternativas de trabalho na produção, que podem dar o melhor resultado com um tipo de imagem. Esses recursos estão disponíveis no sistema e a gente tem que entender como eles funcionam e em que situações eles podem ser aplicados”, explica.

Entre as vantagens de se trabalhar com uma impressora digital, Gomes destaca que as ferramentas
de manutenção para a estabilidade de cor são muito mais amplas do que em uma impressora baseada em processo químico.

Vale destacar também que há uma possibilidade maior de uso de revestimentos e soluções de acabamento. Além da alternativa de trabalhar com uma gama muito maior de papéis. “Na impressão à base de toner a gente pode usar um papel texturizado, papel de cores diferentes, papéis à base de algodão papel com revestimento, sem revestimento, com brilho sem brilho, mattefosco, mais azulado, mais amarelado. A variedade é muito maior”, diz.