News 2 anos atrás | Redação

Alain Laboile aconselha fotógrafos a encontrarem sua singularidade

por Revista FHOX

Apresentando ao para o público a sua maneira de ver as coisas, o francês Alain Laboile, inicia a Superquarta Família do Congresso Fotografar 2018. O fotógrafo, que tem seus filhos e a esposa como tema principal em seu trabalho, é considerado um dos maiores nomes da fotografia documental de família.

Foto: Eduardo Cilto

Com fotografias de tirar o fôlego apresentadas em um vídeo feito por uma de suas filhas, o fotógrafo começou sua palestra falando sobre a espontaneidade com que ele gosta de trabalhar. Autodidata, Laboile contou aos congressistas que iniciou sua carreira como fotógrafo por acaso.

“As coisas aconteceram acidentalmente, eu cheguei ao universo da fotografia por conta das esculturas que eu faço. Eu precisava registrá-las e comecei a fotografar para gerar um portfólio. Comecei fotografando em macro”, explicou.  

Laboile contou aos espectadores também que se não fossem as redes sociais, talvez hoje ele não estivesse onde está e que a fotografia, para ele, se tornou um meio de expressão. Porém, que não o atrai tanto quanto a pintura ou a escultura.

Para ele, a liberdade que tem para fazer suas fotografias é o que ajuda na sua própria produção. Por não ter aprendido regras, ele segue sua intuição e deixa seu olhar livre.

Aconselhou também que os fotógrafos encontrem sua singularidade, sua própria assinatura em seus trabalhos.“Esse é o objetivo, encontrar sua assinatura e oferecer isso de maneira sutil. O mais importante é você como fotógrafo. É preciso que você exista de maneira sincera em sua prática”.

Conheça mais sobre o trabalho de Alain Laboile aqui.