Participe do SIM. Semana do Imaginário Materno!


O Estado da Indústria Fotográfica em 2018 – Parte 2: as impressoras de foto na hora

Porque as impressorinhas fazem sucesso? Primeiro, pela possibilidade de convidados de eventos sociais e corporativos levarem lembranças impressas personalizadas. Segundo, porque é uma venda de experiência. Quem já foi em uma festa com foto cabine sabe que esse tipo de “atração” envolve todo mundo. Difícil quem não leva um tirinha com foto para casa. Terceiro, porque virou uma oportunidade de ganhos para empreendedores da fotografia. É mais um serviço a ser oferecido em festas, negócios e eventos em geral. Quarto, a tecnologia de impressão evoluiu com a qualidade das fotos e na velocidade de imprimir e na facilidade de operar. Isso facilita muito para treinamento, venda e na indicação de clientes para outros clientes.

Quiosque de impressão de fotos do Instagram em loja da rede moderninha da Urban Outfiters. Perfil de público jovem e áreas dedicadas a Instax da Fujifilm e venda de vinil. Para os jovens essas são grandes novidades.

DNP Photo, Fujfilm, HiTi, Mitsubishi, Canon, Epson. Só para citar algumas das marcas que disputam a venda de impressoras de eventos. Um mercado extremamente competitivo tanto no Brasil quanto lá fora. Vale destacar que nem só de eventos vivem as impressões dos equipamentos dessas marcas. Isso graças a impressão de fotos em lojas das mais variadas.

Úteis também ao varejo nas suas formas mais variadas possíveis – Gráficas rápidas, papelarias, lojas de foto, bancas de revistas, cibercafés e até estacionamentos (próximos de locais de pedidos de documentos como passaportes e órgãos emissores de documentos). Ao contrário do que se imagina, as impressorinhas ganharam força nesse mercado para quem inicia na impressão em negócios que muitas vezes nada tem a ver com fotografia. O custo baixo e a facilidade de operação deram mais impulso para o avanço dos equipamentos nesses empreendimentos no varejo fora da fotografia.

Foto cabine na bicicleta. Essa do Reino Unido foi uma das primeiras do mundo. Custo baixo e facilidade de instalação em qualquer tipo de evento. Ou até mesmo na rua.

Quem mais cresce nesse mercado? Definitivamente é muito forte o crescimento das empresas de foto cabines. Surgiram inúmeros formatos e conceitos distintos de cabine fotográfica. Desde Kombi com foto na hora, até bicicletas e as clássicas foto cabines. O mercado chegou em mais de 2 mil empresas atuando no setor. E segue crescendo ano após ano.

DNP e HiTi. Duas concorrentes que lideram o mercado tanto aqui quanto lá fora. Foco ajudou no crescimento

As marcas líderes: DNP e HiTi são as duas marcas que mais cresceram e que enfocam totalmente em impressão na hora (em eventos), foto documento, foto cabines, etc. Por estarem focadas na venda dessas impressoras, acabam tendo mais resultados. Embora as marcas como Fujifilm, Epson, Kodak Alaris e outras também tenham boa participação no mercado.

Marcas desconhecidas com soluções voltadas para smartphone tornam esse mercado cada vez mais disputado

Competição extrema: Tanto aqui quanto lá fora, a concorrência é acirrada. São inúmeras marcas disputando mercado nos diferentes setores. De certa forma, a disputa envolve não só a foto na hora para eventos, pois os perfis de negócios de foto que podem imprimir vão muito além de festas e afins. Como é explicado abaixo…

Na loja de foto e no estúdio. Muitas negócios com esse perfil investem em impressoras de pequeno porte por ser uma boa relação custo-benefício e que pode ser conectado com estações (telas) para fazer pedidos nos pontos de venda. Acontece muito de lojas que começam nessas impressora e depois compram equipamento mais parrudos para produção de maior escala e com custo menor. Quem concorre com a impressora de fotos na hora? Os quiosques, por exemplo. A desvantagem da impressora em relação ao quiosque é o software e a solução integrada com software na tela. Embora isso também possa ser feito em um conjunto do equipamento avulso com tela.

A opção para o fotógrafo: O mais interessante do mercado de impressoras de eventos é que muitos profissionais se tornaram empreendedores por apostar nesse ramo. Criaram empresas para vender pacotes de impressão com número de fotos para entregar lembranças personalizadas. Com estúdio montado nas festas ou mesmo com foto cabine.

A impressão sem cabine: Trata-se de uma evolução dos últimos anos é a impressão a partir de hashtags em eventos. Os fotógrafos passam a hashtag da festa (social ou corporativa) e as fotos vão saindo na hora. O conceito é parecido com o da foto cabine, mas dispensa a cabine. Já que todos os convidados podem enviar a foto da onde estiverem na festa. Com a onda das selfies esse tipo de serviço vai muito bem também. A desvantagem é que tira o propósito da cabine com os adereções, fundos e afins. Isso em um mesmo local do evento. Então acaba sendo uma oportunidade ou ameaça dependendo do ponto de vista.

Instax também é foto na hora. As fotos instantâneas também podem ser consideradas um nicho da impressão em eventos. Existem fotógrafos e empresas que levam várias câmeras Instax e criam um fundo, estúdio ou distribuem as câmeras para os convidados. Com direito a varal e decoração com fotos e personalização de cada Instax.

A nova onda. As impressoras de smartphone: De certa forma são concorrentes das impressoras de eventos e até das Instax (embora a Instax tenha uma versão própria batizada de Instax Share). Nesse ambiente concorrem a Fujifilm, HP (com Sprocket), Polaroid, LG e muitas outras marcas novas, menores e desconhecidas.

Lifeprint. Impressora para smartphone traz tecnologia de realidade aumentada. Usuário cria os vídeo e aplica o arquivo na foto impressa. Depois os outros podem “assistir” a fotografia.

A próxima fase: realidade aumentada. Não resta dúvida de que esse será a próxima etapa do mercado com o encantamento dos efeitos da realidade aumentada. E de novo, vai abrir frentes para outros negócios fora da fotografia mas que podem usar as impressões como forma de divulgação e com efeitos promocionais. Exemplo: uma loja de roupa com a impressora com realidade aumentada. A cliente faz uma foto na hora e vê como ficaria com algumas peças que aparecem com a ajuda de um app exclusivo que abre um vídeo ao ser usado em conjunto com a câmera do smartphone. Pode ser usado em salões de beleza, parques de diversão, hipermercados, festas das mais variadas e eventos em geral.

>> O estado da indústria fotográfica em 2018 (parte 1) 

Alguns números do Brasil e uma ameaça para esse mercado:

– Mais de 10 mil impressoras de eventos em funcionamento em todo o Brasil e de diversas marcas. Atuam tanto em lojas de foto e lojas de outros negócios. Atuam também graças aos fotógrafos que levam essas impressoras para eventos e montam estúdio na hora.

Mais de 2 mil empresas de foto cabines que sozinhas operam outras 10 mil impressoras considerando todas as marcas envolvidas nesse segmento.

Potencial de crescimento: enorme. Já que na prática todo fotógrafos deveria levar uma câmera instantânea, impressora de evento para uma festa e oferecer isso como mais um serviço no pacote (ou até vendido de forma avulsa sem cobertura). A estimativa é de que esse mercado de impressoras de fotos em eventos pode mais do que triplicar de tamanho em até cinco anos.

WedPics. App de fotos e vídeos colaborativos digitais para casamentos. Dispensa fotógrafo e conta com mais de 1 milhão de usuários nos Estados Unidos.

Uma grande ameaça: os apps de álbuns virtuais colaborativos que dispensam impressão de fotos. E mais: as redes sociais ou a simples visão de que dispositivos móveis resolvem o problema das memórias. Esse é o caso do Google Photos ou do próprio Instagram com a junção de fotos em um álbum coletivo usando uma hashtag exclusiva daquela festa.

O próximo post será sobre o Estado da Indústria Fotográfica vai abordar as operações de encadernação e laboratórios profissionais daqui e de fora.