Movimento Imprimir News 1 ano atrás | Leo Saldanha

Movimento Imprimir: o futuro do mercado fotográfico depende da valorização da foto no papel

É a fotografia no papel que torna possível um grande evento de fotografia, a compra de equipamentos (captura e saída) e a manutenção das memórias das famílias

por Revista FHOX
Foto de Valerie Prudon. Álbum surpresa (boudoir) para o marido.

Sem fotos no papel nas suas mais variadas vertentes e possibilidades, não temos como justificar o valor cobrado e nem faz sentido pensar em futuro para o mercado fotográfico. Foi pensando nisso e ciente da responsabilidade de FHOX/Feira Fotografar/Cameraclub que lançamos oficialmente na Fotografar 2018 o Movimento Imprimir. Trata-se de um programa que prevê uma publicação impressa, plataforma on-line e apoio e participação em eventos que estimulem e valorizem a foto no papel. FHOX discorre abaixo os motivos dessa iniciativa tão importante para o crescimento e a sustentabilidade do mercado fotográfico.

1 – Imprimir para valorizar as memórias. Sem álbuns, fotopresentes, decoração e outros itens, não existem memórias marcantes e a possibilidade da lembrança das famílias. Seja com o casamento, formatura, o bebê que nasce e o aniversário dos filhos. Nos últimos anos, com o avanço do smartphone e das redes sociais, perdemos o foco naquilo que é mais importante: as lembranças familiares precisam de papel para que nossa história não se perca. Não se trata só de valor, de preço, de mercado. Trata-se da nossa história que não pode se perder. E a fotografia no papel cuida desse futuro.

Foto na parede. Nada como ter sua obra decorando a casa do cliente. Gemar Photography

2 – Imprimir para ganhar mais dinheiro. Em um mundo tão digital, tudo tende ao preço mais baixo. Para fazer valer seu serviço e poder cobrar mais, faz-se necessário oferecer fotos e produtos impressos diferenciados. Ainda mais agora, quando é possível chegar a um nível de personalização como nunca antes. O álbum pode ser acompanhado de embalagem, de outros álbuns menores, de fotopresentes diferenciados e decoração com fotos. Um fotógrafo ou empreendedor não venderá uma unidade: na verdade existe um caminho de venda de coleções e pacotes com cardápio variado. O resultado disso é um só: faturar mais.

3 – Imprimir para continuar sendo fotógrafo. Quando todos reclamam que a concorrência está pesada, mas não fazem nada diferente para sair do lugar comum, a possibilidade de criar algo único e exclusivo nunca esteve tão disponível para fotógrafos e empreendedores. A fotografia profissional em todos os seus segmentos de atuação só terá futuro se o profissional imprimir as fotografias.

lab pro. No Brasil e no mundo existem inúmeras operações. Sem eles não existe álbum. Sem álbum não existe fotógrafo.

4 – Imprimir para continuar vendendo equipamentos. A indústria fotográfica só seguirá existindo com a foto no papel valorizada nas suas mais diferentes variações de uso. Pode ser fotopresente, fotolivro, photo book, álbum, decoração, fotocabine, etc. Isso porque ela está associada à valorização do trabalho. Justifica o preço a ser cobrado e garante que, com o faturamento, fotógrafo, lojistas, dono de loja ou estúdio, empresa de formatura, possam comprar equipamentos, pagar funcionários e investir de uma forma geral. Logo, toda a cadeia necessita da foto impressa.

 

5 – Imprimir para se diferenciar. Com a tendência da personalização, os fotógrafos e empreendedores da fotografia podem criar qualquer peça única com uma foto impressa. Isso só é possível porque uma foto é a única representação daquele momento. Isso tem valor. Hoje, com a infindável quantidade de opções de personalização e de equipamentos e serviços, o empreendedor pode lançar um produto ou serviço único e até sem concorrentes. Antes isso não era possível.

Se o fotógrafo se considera um artista…o álbum não deveria ser sua obra-prima?

6 – Imprimir para divulgar seu trabalho. Todos estão muito preocupados com marketing digital e redes sociais. Na verdade, são o álbum e outras vertentes de produtos impressos que geram encantamento em um nível pessoal. Até porque é a foto daquela pessoa ou de um ente querido. É única e tem valor. Quem fez o clique? Quem imprimiu? O cliente final sabe que pode contar com aquele agente para resolver outras fotos impressas.

7 – Imprimir para o mercado crescer. O futuro do mercado fotográfico depende do avanço da impressão. Seja do consumidor final ou no trabalho dos empreendedores do ramo. É na busca por novos nichos, desenvolvimento de novas frentes tecnológicas e aplicações que a fotografia vai ganhar força e se tornar o armazenamento perfeito das fotos das famílias.

8 – Imprimir para encantar. Hoje, como forma de diferenciação, o fotógrafo e empreendedor têm condições de usar a foto no papel para vender uma experiência. Prova disso são as fotocabines ou a impressão em eventos. Os consumidores posam para selfies e levam uma lembrança na hora para casa. Ou até de um álbum de casamento entregue ao final da festa aos noivos. Hoje, isso é possível com os avanços da tecnologia e as soluções oferecidas pela indústria.

Se você não consome fotografia por prazer e para guardar suas memórias…como quer vender o seu trabalho?

9 – Imprimir se eu realmente acreditar no que faço. Como posso vender fotografia se não acredito na foto no papel? Todos os participantes do mercado – sejam da indústria, fotógrafo ou empreendedor (lojista, dono de estúdio e empresários em geral) – deveriam ter uma postura de embaixadores da foto no papel. E não só em situações de trabalho, mas a todo instante. Imprimir em casa, testar e degustar as inúmeras opções disponíveis no mercado. Você consome a fotografia que vende?

fotógrafa apresentando suas fotos em CD/DVD. Mídias que nem são mais lidas por muitos equipamentos. Garantia zero de preservar as memórias

10 – Imprimir sem pensar em papel. A fotografia impressa sentiu o baque com o digital. O preço foi caindo, as cópias 10 por 15 cm, por exemplo, chegaram a valores cada vez menores. Coisa de centavos. Vender álbuns e qualquer outro produto impresso não pode ser uma discussão sobre um mero pedaço de papel. Vender fotos impressas deve ser uma venda de emoções. De memórias marcantes e de momentos especiais. Só assim o preço não entra em debate. Quanto vale uma bela foto, álbum ou fotopresente de um ente querido em um evento único?

Casal é surpreendido na própria festa de casamento com um álbum de casamento. Feito marcante que nunca mais será esquecido. Assista ao vídeo desse post e veja como foi feito

11 – Imprimir por acreditar. A venda de livro no mundo todo cresce, enquanto a venda de tablets cai e de smartphones se estabiliza. Na verdade, com a base instalada de smartphones no Brasil, temos a chance de imprimir como nunca antes. Mais de 200 milhões de brasileiros possuem uma câmera no bolso.

FHOX é o único canal realmente comprometido com as memórias impressas. Único canal que posta notícias e fala sobre esse mercado.

12 – Imprimir com a ajuda de um movimento. A iniciativa de FHOX visa estimular o ramo fotográfico, mostrando as possibilidades e indicando caminhos para laboratórios, fotógrafos, empreendedores e indústria. É só com um trabalho conjunto nesse sentido que teremos resultado. O Movimento Imprimir surge como uma proposta urgente e necessária para o mercado fotográfico. Vamos imprimir as memórias das famílias? Trabalho melhor não há.

>> Imprimir para crescer

>> CAMERACLUB: UMA COMUNIDADE DE BENEFÍCIOS E DESCONTOS COM MAIS DE 2 MIL VANTAGENS E 3 MIL MEMBROS 
Se você tem uma matéria, um relato, uma coluna, um tutorial ou qualquer outro tipo de conteúdo e quer contribuir com o FHOX.com.br, nos envie! Nosso departamento de redação vai analisar e, se aprovado, será publicado e assinado por você, respeitando todas as regras do direito autoral. Colabore clicando aqui: Você na FHOX.