Mercado 1 mês atrás | Jucelene Oliveira

Oportunidades para quem deseja migrar do RGB para o CMYK

Uma parte importante do processo de impressão é entender os aspectos e as vantagens da conversão do RGB para o CMYK. Canon explica

Apresentado por

Perda de negócios, de clientes, de oportunidades. Gráficas e laboratórios fotográficos podem sofrer com uma ou mais dessas perdas se não investirem em equipamentos de qualidade e eficiência. Para ser competitivo, não basta apenas ter bom preço. Velocidade na entrega, na qualidade e na versatilidade podem fazer toda diferença para o sucesso do negócio. É exatamente aí que uma impressora Canon nova pode ser o ponto de partida ideal para resultados mais longos e duradouros.

O setor gráfico vem passando por uma intensa transformação nos últimos anos. Cada vez mais existe uma busca por personalização, além de prazos e tiragens reduzidas. Atenta a isso, a Canon oferece uma linha completa de equipamentos de impressão digital e acabamento. O portfólio da marca vai muito além de equipamentos fotográficos.

Trabalhar com impressoras Canon é sinônimo de versatilidade. Isso se encaixa, inclusive, para adeptos aos minilabs. Quem está acostumado a trabalhar com eles enfrenta uma série de dificuldades ao fazer a transição para uma impressora que trabalha com CMYK.

Segundo André Borges Gomes, consultor em tecnologia gráfica, com especialização em gerenciamento de cores e tratamento de imagem digital, uma parte importante desse processo é entender os aspectos e as vantagens da conversão do RGB para o CMYK.

“Uma parte importante do processo de impressão em CMYK é entender como funciona na conversão do RGB para o ciano, magenta, amarelo e preto, o que muda e o que não muda. O que é comum e o que não é comum. Como é possível fazer imagens em impressão a laser preservando os detalhes da impressão RGB mesmo com uma gamut de cores diferentes? Como fazer com que o melhor aproveitamento dos recursos da impressora laser sejam as possibilidades que a laser tem de reticulagem na criação dos meios tons? É muito mais variado do que no minilab que trabalha com tom contínuo. Então boa parte dos operadores de impressoras digitais a laser não sabem todos os recursos que a máquina tem”, explica.

Para entender melhor a diferença em RGB e CMYK, clique aqui.

Hoje a Canon oferece produtos para os diferentes mercados. São opções que vão desde impressoras fine art de pequeno porte, como as da linha ImagePROGRAF, até impressoras especificamente voltadas para o mercado fotográfico de grande tiragem.

imagePROGRAF PRO-1000
Modelo imagePROGRAF PRO-1000

“Eu acho que o primeiro ponto é entender as peculiaridades que acontecem quando você faz uma conversão de RGB para ciano, magenta, amarelo e preto. Toda imagem que é depositada no papel, na verdade não trabalha em RGB. O que acontece quando você faz em um minilab ou mesmo numa impressora de sublimação. As impressoras ditas RGB não são RGB; elas são ciano, magenta e amarelo. Elas não têm preto, é uma característica delas. No ponto de vista físico não há como você imprimir em RGB; você imprime em ciano, magenta e amarelo. Então, quando você coloca o preto é uma característica das Impressoras gráficas”, diferencia.

Ele ainda explica o processo das impressoras jato de tinta.

“As impressoras jato de tinta permitem trabalhar com uma quantidade maior de tinta. Você pode trabalhar com 12 tintas, 8 tintas; então é comum se trabalhar com light magenta, light ciano. Além disso, pode trabalhar também com ciano, magenta, amarelo, pode trabalhar com vermelho, verde e azul, para aplicações localizadas e elas atendem o mercado que precisa de cores, com muita precisão e com o gamut de cor muito grande.”

Entre as vantagens de se trabalhar com uma impressora digital, Gomes destaca que as ferramentas de manutenção para a estabilidade de cor são muito mais amplas do que em uma impressora baseada em processo químico.

Vale ressaltar também que há uma possibilidade maior de uso de revestimentos e soluções de acabamento. Além da alternativa de trabalhar com uma gama muito maior de papéis.

“Na impressão à base de toner a gente pode usar um papel texturizado, papel de cores diferentes, papéis à base de algodão papel com revestimento, sem revestimento, com brilho sem brilho, matte fosco, mais azulado, mais amarelado. A variedade é muito maior”, diz.

Os sistemas de impressão atendem tanto a produção de alta tiragem quanto às necessidades de média e baixa tiragem, em folhas cortadas ou bobinas, com qualidade de imagem e velocidades superiores.

“O minilab foi pensado para saída da fotografia para trabalhar no varejo, entregar o álbum de foto, entregar a foto de viagem. Ele é pensado na foto individual ou em uma coleção de fotos individuais, enquanto que a máquina gráfica, não. Ela é pensada no produto final, que é um álbum, um livro, revista, catálogo industrial, catálogo de produtos. Nisso tudo a máquina digital é muito mais dimensionada, para possibilidades que o minilab não tem”, pontua.

Segundo ele, ao mesmo tempo é uma máquina que também pode atender razoavelmente bem até o setor de varejo. “Dependendo do tipo de configuração, do tipo de papel que você usa e o tipo de resultado que oferece, é possível entregar a foto 10×15 impressa em uma máquina digital com um padrão de qualidade que satisfaça o cliente e, eventualmente, até com uma durabilidade maior. Essas máquinas não têm grandes problemas de mobilidade das imagens, principalmente quando você trabalha com algum tipo de acabamento”.

Os modelos mais novos são quase sempre mais econômicos, o que aumenta a competitividade para o cliente. Elas também trazem inovação tecnológica como diferencial para o negócio. E nunca ficam paradas esperando manutenção. Além disso, possuem garantia Canon, uma marca conceituada no mundo todo.

Uma impressora digital permite atender online ou imprimir direto do celular do cliente. Mais versáteis, permitem a impressão na hora. Por possuir mais precisão, imprimem com um padrão de qualidade confiável, da primeira à última página.

Os modelos mais recentes são utilizados para impressão de baixas e médias tiragens. Isso também demonstra uma preocupação da Canon com o meio ambiente. Os equipamentos da marca são confiáveis e eficientes, além de duráveis.