Negócios 2 semanas atrás | Leo Saldanha

Marketing: um exercício R.U.M.O. para você colocar a mão na massa

Nova atividade da Escola de Negócios FHOX traz conteúdo prático para quem atua na fotografia. Sem ter que baixar e-book e sem pegadinha

por Revista FHOX
Rede social ajuda sim. Mas a fotografia ocorre onde mesmo? ah, é no mundo real!

Eu não sei fazer marketing é a frase que mais ouço por aí quando o assunto é viver de fotografia. O curioso é que quem diz isso já faz marketing mesmo sem querer. Tem um posicionamento mesmo sem achar que tem. O que não tem é um composto bem definido.

Inbound marketing é um conceito aplicado largamente hoje em vários mercados, inclusive na fotografia. Uma explicação bem simplista fica assim: você cria um funil de vendas, gera conteúdos e faz de tudo para converter os leads (em tese “você” que nos lê) em clientes. Ou fazer clientes comprarem de novo e com um bom trabalho virando fãs de verdade da sua marca. Nada de errado com essa linha de trabalho, mas eu sigo um caminho mais direto e pragmático. Se perder nesse tipo de marketing  também é bem fácil (como vemos por aí) e a ideia de “uma receitinha que funciona para todos” me parece equivocada. Sobretudo em uma atividade que envolve emoção, memórias e experiências de verdade (fotografia é isso).

Não existe um passo a passo que funciona para todos os negócios de fotografia. Existem métodos que foram estudados e aperfeiçoados nos últimos 60 anos desde que o marketing foi criado

Como não existe fórmula pronta. Não temos outra alternativa. Vamos trabalhar? Separei aqui para você quatro exercícios para você fazer sozinho e se quiser pode até enviar para a gente olhar e tentar te ajudar. Acredita em pílula mágica? então leia isso aqui: falácia do marketing digital. 

Posicionamento – Como você está posicionado no seu mercado? Como os clientes te veem e qual a avaliação que você faz do seu negócio de fotografia? Faça o exercício de forma honesta e mais transparente contigo mesmo. Não acha que sua autoavaliação é boa nesse sentido. Então pergunte a clientes ou pessoas próximas. Faça um estudo mais aprofundado. E tente listar as seguintes questões:

– Como os clientes definem o seu trabalho?

– O que você representa na cabeça deles?

Aqui vale relembrar sobre o valor e o poder das perguntas. A pergunta mais importante: O que meu negócio de fotografia resolve? Por que ele é importante para meus clientes?

Faça várias perguntas: Quem eu atendo ou quero atender? Grandes cases da fotografia e de fora dela surgiram de questionamentos dos mais bobos e ao mesmo tempo intrigante: A Polaroid criou a fotografia instantânea porque a filha de 8 anos do fundador (Edwin Land): Papai, por que não podemos ver a foto na hora? Isso no tempo do filme fotográfico e muitas décadas atrás era uma bela de uma pergunta. Qual é a pergunta mais bela que você pode fazer para seu negócio nesse momento?

Lalalab. Startup francesa de impressão que gera produtos únicos. Até o concorrente copiar. Daí é partir para mais uma novidade. O stress de quem inova…

Produto único – Adoraria te dizer que sua foto é única. Só nesse ano serão mais de 1 trilhão de fotos compartilhadas em tudo o que é rede social. Fotógrafos não param de entrar no mercado fotográfico (e saem na mesma velocidade que entraram). Nesse ambiente extremamente competitivo o melhor exercício que você deveria fazer é: “como posso ser diferente?”  ou que “produto único eu poderia oferecer”. Eu já vi um fotógrafo de pássaros que só faz cliques de passarinhos que parecem Angry Birds. Eu já vi fotógrafo especialista em surfe em praias congelantes do ártico. São alguns exemplos. Não quero nada único é uma decisão legítima. Daí esteja preparado para lutar no preço. O único se estende por todos os lados de um negócio. Do primeiro contato, do produto entregue, da forma como a experiência é realizada. No fim personalização é tornar algo único. E isso tem valor.

Marketing 4.0 – Você está online agora, mas seus clientes são fotografados em um local físico. A fotografia impressa ou no ensaio ou no toque de um álbum é uma experiência sempre. Quer você queira ou não. Como está sua experiência no ambiente digital e no mundo físico? Como elas se combinam. Acha isso besteira: veja essa exemplo de como é o marketing 4.0 clicando aqui: Uma (foto)experiência marcante. Produto no marketing 4.0 quer dizer que os clientes querem co-criar (você precisa conversar e ouvir o que eles querem). Preço (no marketing 4.0 é recorrência) como posso atrair eles para não precisar ficar fazendo promoção de precinho o tempo todo? Promoção não faz mais sentido. No marketing 4.0 é uma conversa e fotógrafos geram conteúdos que geram interesse. Crie histórias que “conversem” com seus clientes. Que história você tem para contar? Ponto não importa mais, no marketing 4.0 é marketplace. Existem muitos fotógrafos que dependem quase exclusivamente do Instagram para relacionamento. Quase um estúdio e escritório virtual (combinado com WhatsApp). Resumindo: em tempos de tudo em tempo real e conectado, o marketplace pode ser em qualquer canal digital que você quiser. Ainda assim muitos negócios não vendem on-line e não consideram esse ambiente como um canal efetivo de vendas. Em um país com mais smartphones do que habitantes algo difícil de entender.

Exercício para você: como estou em termos de produtos? Como estou em preço? Como estou em ponto (físico ou digital ou os dois) como estou no produto (volte para o último item, ele é o mais importante aqui) e como estou na promoção? Fotógrafos e outros negócios de fotografia costumam começar pelo preço e promoção para resolver a questão do marketing. É aí que o problema começa. Nesse exercício considere uma análise de todos os itens sob ótica digital x real.

Foto: Tamara Minati

Orientação – Nessa parte você tem duas alternativas. Fazer uma autoavaliação para acertar sua própria orientação. Funciona assim: faça uma espécie de avatar de marketing (tem gente que brinca que poderia ser um bonequinho de vodu). Esse avatar representa você. Mas tente olhar esse profissional ou negócio como um terceiro. Uma forma simples de fazer isso é criar desenho (um rascunho desse negócio visto de fora) ou você também pode escrever só o seu nome (ou sua marca) e colocar um pouco de tudo sobre o que vimos nesse texto. Do produto, posicionamento, marketing 4.0 e aqui chegamos em um ponto crítico. Ou você faz essa autoanálise e busca os caminhos ou procura ajuda. R.U.M.O da Escola de Negócios FHOX foi criado para te ajudar nisso. É personalizado (logo não fica exposto para ninguém), feito no seu tempo e 100% on-line. Uma oportunidade de você ter uma visão de (re)posicionamento, encontrar seu produto e oferta (única), trabalhar e entender o Marketing 4.0 e ter a orientação para todos esses passos para acertar de vez seu negócio da fotografia. Se você escolher a primeira opção (o que é legítimo) sugiro ler os livros: marketing 4.0 de Philip Kotler, Os 10 pecados mortais do marketing (também do mesmo autor). Isso é Marketing de Seth Godin (que também questiona muito o inbound marketing) e as 50 Mandamentos de Marketing e o livro “Uma pergunta mais bonita: As perguntas dos criadores de Airbnb, Netflix e Google. Você também pode procurar o Sebrae (online ou presencial). Seja como for, te desejo sucesso e espero que você entenda de uma vez por todas que você já faz marketing na fotografia (mesmo que não queira). Se ele é bom ou ruim já é outra história.

Quer saber mais do R.U.M.O.? então clique aqui: Vamos achar seu R.U.M.O. 

Quer enviar seu exercício? leo@fhox.com.br

Quer fazer o R.U.M.O. –  WhatsApp 👉🏼 RUMO_By_ENF

APOIE O MELHOR CONTEÚDO!
A MISSÃO DA FHOX SEGUE A MESMA FAZ 30 ANOS. NOSSO OBJETIVO É LEVAR INFORMAÇÃO ÚTIL E DE QUALIDADE PARA AJUDAR OS LEITORES QUE ATUAM E APRECIAM A FOTOGRAFIA. A FHOX É MUITO MAIS DO QUE UMA REVISTA, TRATA-SE DE UMA PLATAFORMA INTEGRADA QUE OFERECE CONTEÚDOS EM DIFERENTES CANAIS (SITE, IMPRESSO, EVENTOS, VÍDEOS E PODCAST). UMA CENTRAL DE INTELIGÊNCIA DE MERCADO PARA FOMENTAR AS MELHORES PRÁTICAS E NEGÓCIOS DA FOTOGRAFIA. ASSINE A FHOX! E NOS AJUDE A CONTINUAR CRIANDO MELHOR INFORMAÇÃO PARA VOCÊ!