Negócios 8 meses atrás | Leo Saldanha

Fotógrafo profissional: você já faz marketing mesmo sem querer

Pensamento recorrente no mercado é na verdade ilusório. Tudo o que você faz do primeiro contato até a entrega do produto tem um julgamento do consumidor. Compreender isso já é um primeiro passo importante

por Revista FHOX

“Aquele fotógrafo é marketeiro” ou “Ele é um bom fotógrafo, mas não sabe vender” são frases comuns e com variações em menor ou maior escala. Na prática o que mais se observa em rodinhas e grupos de WhatsApp é a opinião generalizada que o fotógrafo ou é bom em uma coisa ou em outra. Será que é verdade? Jill Greenberg é uma fotógrafa tarimbada que faz sucesso mesclando fotografia autoral e comercial. Se perguntarem para ela, desconfio que dirá que é fotografia de autor, pois basta olhar o trabalho para notar aspectos artísticos de uma fotógrafa talentosa que virou referência mundial por conta de arte misturada com marketing.

Jill Greenberg fez sucesso (e causou controvérsia) anos atrás quando criou uma série em que crianças (bebês) provavam um doce e rapidamente tinham a guloseima retirada do alcance. O projeto foi batizado de End Times (fim dos tempos) e envolvia tirar também brinquedos das mãos dos modelos infantis de 2 a 4 anos. Causou alvoroço na época. A fotógrafa se defende dizendo só o fato de posicionar crianças tão pequenas na frente da câmera e não fazer nada já faria com que elas chorassem. De um lado ela foi criticada por expor as criancinhas a uma situação dessas. Foi considerada abusiva e exagerada. Outra parte da crítica considerou a obra sensacional. Virou exposição e ganhou a mídia. Em pouco tempo ela passou de fotógrafa talentosa a uma artista reconhecida mundialmente. End Times circulou com muito sucesso (e polêmica) pela Europa, Estados Unidos e Oceania. A norte-americana também fotografou para Wired e outras publicações famosas e teve exposições em galerias renomadas. A ideia das crianças chorando repercute até hoje, tanto é verdade que estou expondo aqui novamente.

O que isso tem a ver com marketing? tudo. Se a ideia é atrair e manter clientes Jill certamente conseguiu as duas coisas. Com aquela série ela atraiu a atenção e com sua bagagem e portfólio de respeito garantiu a segunda parte (mais importante) de manter clientes. Não vou julgar os aspectos éticos ou se a série é boa ou não. Você talvez já tenha até visto memes com o trabalho dela. Jill é referência até para Seth Godin como a expressão da artista que sabe combinar tino comercial com o lado artístico. E que segue a linha do que ele expressa volte e meia sobre o marketing em tempos de saturação de informações: “Em um mercado saturado tentar se encaixar leva ao fracasso. Em um mercado competitivo não se destacar é o mesmo que ficar invisível” diz ele.

Esse é só mais um exemplo de tantos que mostram que tudo o que um fotógrafo faz é marketing. No livro Isso é Marketing Seth Godin trata do poder do novo marketing em mudar comportamentos e estabelecer ideias. Na visão de um dos maiores especialistas no assunto no mundo a mensagem é clara: tudo o que você faz é marketing. No caso de um fotógrafo que trabalha com imagem como poderia ser diferente.

A começar pelo visual do profissional. Como ele se veste, como fala, o que escreve e como faz a primeira, segunda e terceira abordagem. O prazo de entrega, o site, as postagens no Instagram e nas outras redes sociais. Como ele se porta no evento e na hora do ensaio. Como ele fala com os clientes enquanto fotografa (e o mais importante: como eles se sentem enquanto estão sendo fotografados). O cliente vai julgar (internamente) todo o processo. Da primeira frase no Instagram ou DM até a entrega do álbum. Julgará a qualidade do papel do álbum. Julgará a opinião do profissional sobre os mais variados assuntos nas redes sociais.

A diferença entre vendas e marketing. Arte da agência de Miami Crispin & Porter. Uma estratégia inteligente pode ter a mesma mensagem mas de uma forma melhor

A visão que o fotógrafo tem de si mesmo servirá só como uma pequena base que talvez pouco importe na versão final imaginada pelo consumidor. Lembra da famosa frase? as pessoas percebem o que você faz e não o que você fala. Pois bem, assim sendo, tudo o que você faz é marketing. Já que na essência estamos falando de atrair e manter os clientes. E cada etapa da sua jornada de um ponto a outro pode e vai fazer toda a diferença nesse processo. Logo, melhor dizer que você não consegue ver o seu próprio marketing. Pois na prática ele existe e está ocorrendo nesse momento na análise daquele orçamento sem resposta, no Stories sem abertura de link, no e-mail sem retorno e no Instagram com muitas curtidas e sem resultados.

Quer ajuda ou precisa de orientação? Então conheça a nova atividade da Escola de Negócios Fhox clicando aqui: R.U.M.O.