Negócios 4 dias atrás | Leo Saldanha

Lojas de telefonia ampliam a oferta de cursos para ajudar a vender aparelhos

E turmas de fotografia estão entre as ofertas segundo matéria recente do jornal “O Globo”

por Revista FHOX

Lojas de fotografia já fazem isso tem muitos anos (ou pelo menos deveriam). Afinal, essas turmas com cursos básicos e oficinas com fotógrafos costumam atrair público e geram fidelidade e oportunidade de vendas. Pois segundo matéria do jornal O Globo, as operadoras de telefonia e fabricantes estão transformando as lojas em sala de aula. A ideia é simples: vender experiência. Tudo serve para atrair clientes. Como estações para carregar aparelhos, ilhas com dispositivos para mexer e testar dispositivos e brincar com apps. Outra novidade é que algumas lojas passaram a ter espaço “kis” para deixar os filhos brincando enquanto aproveitam esses serviços.

Best Buy. Nos Estados Unidos cada marca possui uma ilha e especialistas atendem e també ministram workshops nas lojas

 

O fato é que assim como as vendas de sessões fotográficas e câmeras que estão caindo (no Brasil) com a crise estendida também afeta todos os mercados. Inclusive a venda de smartphones. Até porque hoje a base instalada desses dispositivos supera o número de habitantes. As pessoas estão demorando mais para trocar de aparelho. O resultado disso aparece nos números: em fevereiro o número de linhas caiu para 235.6 milhões. Queda de 2.84% em comparação com o mesmo mês de 2018. Dados da Anatel. Veja, são mais smartphones do que brasileiros. Embora a receita do setor de telecomunicações tenha crescido (1.3%) foi um aumento abaixo do índice de inflação (IPCA – 3.75%).

De acordo com a matéria do Globo, a Vivo que conta com 1700 lojas no Brasil, passou a oferecer cursos de tecnologia. Um deles é justamente o que ensina idosos a usar redes sociais e a fotografar e filmar com o smartphone. Os números dessa iniciativa são efetivos. Basta notar que até agora a marca atendeu 8 mil alunos em 2600 turmas de workshops. O presidente da Vivo avisou no artigo que o objetivo da empresa é criar centros de experiências nas lojas. Algo que é tendência em todos os mercados. Ainda mais no varejo.

View this post on Instagram

Workshop Descomplicando a Tecnologia A vivo traz para você, que possui mais de 60 anos, um workshop exclusivo com nossos Gurus para lhe ensinar muitas funcionalidades do seu smartphone. Se você possui dificuldades em mexer no seu celular ou tem algum parente que queira indicar e queira aprender mais para facilitar o seu dia a dia, essa é a oportunidade. Nós vamos lhe ajudar a descomplicar a tecnologia, ensinando funcionalidades básicas para você ter autonomia e facilitar sua vida. E o melhor, tudo gratuito! Te aguardamos na nossa loja. Conecte-se com a gente!! Confirme sua presença – 21967222622 O evento acontece todas as terças e quintas em dois horários: 11h às 12h e de 16h às 17h. Aguardamos você. #niteroirj #niteroi #saogoncalorj #Icaraí #camboinhas #plazashopping #vivovaloriza #acontecenavivo

A post shared by Consultor Vivo RJ (@consultorvivoniteroirj) on

No que ajuda ter turmas nas lojas? Para a Vivo, isso representou um incremento de 70% nas vendas de itens avulsos em 2018. Como conectores, cabos, película de proteção de tela e outros produtos e serviços. Essa demanda já representa 7% dos resultados da área móvel da Vivo. Ajuda também a vender mais aparelhos novos. Imagine que o consumidor chega com seu smartphone antigo, aprende a fotografar melhor e nota que um modelo recente pode ajudar ainda mais. Case isso com promoção relâmpago e um consultor a disposição com condições favoráveis de pagamento e a venda é questão de tempo.

Consultores – além de vender, a Vivo criou um guru tecnológico. Alguém que fica na loja e ajuda a baixar apps, como usar os serviços no dispositivo móvel e claro, a trocar de aparelho. O que a Vivo está fazendo é treinar muito os funcionários para que eles deixem de ser vendedores e se tornem mais consultores. O que ocorre agora é que o consumidor vai no site de uma marca e se ela tem loja o processo começa na pesquisa on-line e vai desembocar no ponto de venda se tiver uma experiência aguardando por lá. Do contrário, para que visitar a loja. Mais fácil comprar na internet e aprender algo no YouTube. É aí que entra o aspecto analógico. Dos clientes e prospects tocarem, testarem e aprenderem na loja. E tirarem dúvidas com um especialista. Aliás, essa é uma estratégia que já demonstramos em outros exemplos de lojas que vendem equipamentos fotográficos lá fora. Caso da Best Buy e da Camera Land da África do Sul.

Viu essa? Nova turma da Escola de Negócios FHOX no fim de maio

CameraLand na Cidade do Cabo. Encontros, papos fotográficos, workshops

No fim, a matéria do Globo fala da Apple. Referência em varejo altamente rentável. A empresa que é uma das mais valiosas do mundo, apostou justamente no conceito de vivências dentro das Apple Stores. Com direito a workshops e palestras rápidas e até caminhadas fotográficas. E o cliente pode agendar o curso pelo site da Apple para depois ir à loja.

Leia também: FHOXCast em nova fase

Curso de fotografia e inovação na Apple Store em San Franciso. Com o fotógrafo Chase Jarvis

Outro exemplo citado no texto é da Oi. A empresa conta com 184 lojas próprias e 600 franquias. A empresa de telefonia vai pelo mesmo caminho com cafés da manhã com palestras e novas áreas de testes de videogame para testar a velocidade da internet vendida pela marca. São ambientes que se assemelham a casa do cliente com sofá e conforto. Dá até para agendar horário e em breve terão cursos também no local. Provavelmente a fotografia e vídeo vão entrar na pauta. Para lojas de foto que hoje recebem pedidos de impressão quase que na sua totalidade de smartphones e via WhatsApp essa é uma oportunidade crescente. Até porque oferta de cursos de fotografia dentro da loja de foto já acontecia antes com quem tinha câmera. Agora é a chance muito maior porque todo mundo tem uma câmera no bolso. Para fotógrafos com seus clientes finais a venda de curso de fotografia com smartphone também é uma oportunidade. Coisa que aliás, muitos fotógrafos já oferecem. Ao invés de enxergar como ameaça, notar como chance de venda. Certamente o aluno cliente do fotógrafo vai entender de uma vez por todas que não é só o equipamento que faz a diferença. Mesmo que seja um smartphone.

 

View this post on Instagram

Tivemos hoje um workshop muito especial na #vivodiamondmall, em parceria com #samsung. Nossa convidada foi a #digitalinfluencer @anitabemcriada e o tema escolhido foi "Inovação nas Redes Sociais". Com grande domínio do conteúdo, afinal Anita iniciou esse trabalho há 9 anos, essa mulher inteligente, forte e empoderada conseguiu passar a todos os participantes, de um modo simples, objetivo e esclarecedor, importantes dicas aos interessados em seguirem essa carreira. Foi demais!!! Dia 30/03 teremos mais uma agenda. Garanta sua inscrição no site www.vivo.com.br/acontecenavivo. Agradeço mais uma vez à Anita pela participação! Amei!!! Obrigada @g.barross pelo registro #pdx #acontecenavivo #anitabemcriada #temtudonavivo #vivatudo #elaéfofa #mulheresempoderadas

A post shared by Cláudia Rezende ❤ (@claudia.r.tavares) on

>>Movimento Imprimir: sem foto no papel não existe futuro para o mercado fotográfico

Se você tem uma matéria, um relato, uma coluna, um tutorial ou qualquer outro tipo de conteúdo e quer contribuir com o FHOX.com.br, nos envie! Nosso departamento de redação vai analisar e, se aprovado, será publicado e assinado por você, respeitando todas as regras do direito autoral. Colabore clicando aqui: Você na FHOX.