Varejo 4 anos atrás | Diogo Amorim

Conceito de loja física muda e chama atenção do público

Novidades surpreendem, inclusive no Brasil

Apresentado por
fuji-logo-2

Quem poderia imaginar a Amazon, gigante do comercio on-line, abrindo lojas físicas? Pois bem, esse foi o passo mais significativo de um movimento que se iniciou no ano passado e que surpreendeu muitos analistas mundo afora. Com a primeira loja em Seattle e a segunda próxima ao Edifício Empire State no coração de Manhattan, em Nova York, o gigante do comércio on-line mostra que o varejo físico, embora cada vez mais desafiador, segue sendo fundamental.

Segundo pesquisas do varejo americano, vários dados mostram o poder da loja física. Embora o crescimento seja muito maior do varejo on-line, ele é sobre uma base muito pequena (cerca de 8% do comércio por lá é on-line), daí a facilidade de ano após ano manter uma média de dois dígitos. Mas nos EUA, o fôlego está diminuindo. E as pesquisas comprovam que dois terços dos consumidores preferem comprar após provar ou degustar o produto. As vendas por impulso também são cerca de 20% maiores ao vivo e em cores.

No varejo fotográfico brasileiro, a questão é a necessidade de renovação do conceito das lojas. Houve um grande processo de transformação iniciado no começo dos anos 2000, com drástica redução no número de pontos. Lojas de shopping quase desapareceram. Ilhas esboçaram uma alternativa, mas sem escala. Na necessidade de ampliar mix, muitas lojas, para sobreviver, tiveram que abrir o leque para, por exemplo, serviços de estúdio e reportagens fotográficas, ótica, papelaria e etc. Porém, muito pouca gente olhou para um conceito de varejo que acompanhe as mudanças da sociedade atual, dialogue com o design e com as experiências que os consumidores buscam.

O resultado foi a falta de um conceito poderoso de varejo físico enquanto o interesse por imagem crescia sobremaneira. Nunca se fotografou tanto como agora. A primeira resposta contundente a toda essa transformação veio do Japão com a Wonder Photo Shop. Uma loja conceito da Fujifilm que logo após abrir foi motivo de ampla exposição no estande da marca na Photokina em 2014, causando alvoroço e virando destaque da feira. Com design arrojado e soluções que preveem a fácil customização da identidade visual do espaço para datas promocionais e infinitas possibilidades na geração de produtos com alto valor agregado e na proposição de temas que combinem com a paixão das pessoas por fotografia, o conceito está se alastrando gradativamente pelo planeta. Tóquio, Barcelona, Bogotá, Cidade do México e recentemente São Paulo já têm a sua.

Por aqui, a novidade chega batizada como Photo Lovers e a duas experiências estão em curso e mandam bons sinais: um módulo está em operação no Walmart e uma loja Foto Paulo no Shopping Morumbi foi a primeira a aderir ao conceito. Os resultados são promissores e animam Emerson Stein, Gerente Geral Divisão de Imagem:

“Temos a noção de que ninguém tem a fórmula exata, mas há que se experimentar e ousar, e é exatamente isso que o Photo Lovers traz: uma nova experiência de varejo, que se o varejista explorar conosco de forma inteligente e motivada será um grande sucesso.”


fuji-logo-2
A Divisão de Imagens da FUJIFILM do Brasil Ltda. oferece produtos e serviços fotográficos a clientes e empresas, como: papel fotográfico, equipamentos para impressão digital, incluindo manutenção e atendimento, filmes, câmeras instantâneas, câmeras digitais e uma extensa linha de lentes e acessórios.