Participe do SIM. Semana do Imaginário Materno!

A importância do posicionamento de mercado na fotografia

O que o cliente vê é diferente do que você vê quando o assunto é a sua marca...

Você já tem um posicionamento? Pois os clientes e possíveis consumidores já te enxergam de alguma forma. Então vamos começar por aí: como será que meus clientes e seguidores me enxergam hoje? Você poderia perguntar nas redes sociais e talvez até obtenha alguma resposta. Isso já é um caminho. Outra postura é tentar avaliar sua marca como quem está de fora. Encare sua marca atual (e tudo o que você faz na fotografia) como se fosse um concorrente. Qual visão você teria de si mesmo se tivesse que competir com seu próprio negócio? Não, não é fácil. Combinar as duas medidas é uma boa. Perguntando aos clientes e fazendo a autoavaliação.

Posicionamento como definição é simples. É como as pessoas te veem. É sua posição na mente das pessoas. Em um ambiente com tanta oferta de tudo não é difícil imaginar que muitos sequer tem alguma percepção do seu negócio. E não pense que competimos só com fotógrafos, pois a concorrência hoje é por atenção e com todo tipo de empreendimento (digital e físico). Coloque aí Netflix, um pacote de viagens, uma sessão no cinema, uma compra de algum item supérfluo. Dá para estender para o tempo que se perde nas redes sociais ou lendo um livro e por aí vai. Nesse ambiente com tanta oferta de coisas para fazer…qual é a posição da sua marca na mente de um consumidor?

Do ponto de partida dessa resposta muito difícil podemos considerar que no pior dos casos não existe percepção nenhuma. Ah, ele(a) é só um fotógrafo. Esse é um cenário comum e devastador sob a ótica do marketing. Se as pessoas veem você como um mero clicador qual o valor que você passa para os clientes? Quanto você vale?

O que o cliente vê é diferente do que você vê quando o assunto é a sua marca…

Como você acha que as pessoas te veem é outra história. É aqui que mora a ilusão de muitos fotógrafos. Por se trabalhar com algo que envolve paixão, os fotógrafos tendem a colocar a vaidade do trabalho acima de tudo. Minhas fotos são únicas e eternizo momentos. Você e outras centenas. Logo o que você acha que é seu posicionamento só serve para o que deveria ser. Ou seja, como você acha que é visto tem mais a ver com o que gostaria que os clientes enxergassem. Então anote como crê que as pessoas veem seu negócio de fotografia. Talvez esse seja o posicionamento almejado e que devemos batalhar.

Se posicionamento de marca é valor percebido pelo cliente então você tem que investir na sua imagem. Não só nas fotografias, mas tudo o que envolve seu negócio. Os clientes julgam tudo. O problema básico e essencial de tantos fotógrafos no mercado não terem posição na mente do cliente é bem simples na verdade: o fotógrafo nem sabe quem ele é direito. Sem você se conhecer, sem entender seu perfil, sua identidade, como é que você vai alinhar todo o marketing? a constatação mais difícil acaba sendo a mais realista. Você precisa se conhecer para definir o posicionamento da sua marca. Porque a sua empresa é você! Como fazer isso? Esse processo de autoconhecimento poderia caminhar para o blá, blá, blá…não tenho a resposta aqui. O que é necessário é você fazer o seguinte. Invista em autoconhecimento. Uma opção é comprar o livro Ikigai e ler com atenção.

Do filme “Clube da Luta”. Tudo é uma cópia da cópia da cópia

Se acredita que sabe quem você é isso já vai ajudar bastante. Levar você e sua identidade para esse posicionamento é crucial. A comunicação, produto, ponto, presença, parcerias…e todo o resto devem ter a sua cara. É bem básico, mas como é rotina ver fotógrafos que parecem cópias mal acabadas de outros fotógrafos (que talvez estejam copiando outros posicionamentos de outros colegas). Por que isso é relevante? Porque só assim você vai conseguir cobrar mais! Só assim você vai conseguir valorizar seu negócio. Será de fato único (seu negócio) se tiver a sua cara não?

Independente do posicionamento, a fotografia é um empreendimento emotivo. As pessoas contratam um serviço para registrar cenas felizes. Pessoas comprando pessoas. A fotografia profissional para ser diferente e valiosa daqui para frente terá que ser cada vez mais fotografia pessoal. O fotógrafo pessoal conhece as pessoas e suas histórias. Se importa e se encaixa no padrão daqueles clientes. Nem vou falar de empatia, pois tem mais força dizer que se trata de se importar e se relacionar de verdade. Em um mar de fotógrafos trabalhando técnicas de vendas e artimanhas para atrair clientes o saldo lá no fim da jornada é zero valor. No tempo desse cliente na relação com esse profissional a tendência é desgastar. Acaba o trabalho e nunca mais eles se veem. Um fotógrafo pessoal é aquele que os clientes conhecem, confiam e indicam. De ter a certeza de que aquele profissional vai oferecer uma entrega personalista e intimista. Coisa de confiança. Tudo isso leva tempo e o posicionamento que poderia ser frio pode ser mais humano. Sobretudo no caso de uma fotógrafa ou fotógrafo. Você vai entrar na casa daquela pessoa, vai fotografar uma festa das mais importantes da vida dela. Então o melhor início de planejamento para posicionar seu negócio é investir nessa linha de ser um fotógrafo pessoal. Um fotógrafo de confiança. Muito melhor partir disso do que ser “um esquecido” na mente de quem te segue ou que já te contratou.

Lembrando que posicionamento de mercado também é relativo a tudo o que envolve seu negócio e não só a sua figura humana. Ou seja, vale para seus produtos, serviços e vale ainda no comparativo com seus concorrentes.

O posicionamento é dos elementos mais importantes da fotografia profissional (na verdade de qualquer negócio). Se quiser e precisar de ajuda conte com o R.U.M.O da Escola de Negócios FHOX.

Quer fazer você mesmo? Então aqui vai uma Indicação de leituraPosicionamento. A batalha por sua mente.