Lançamentos 3 meses atrás | Thalita Monte Santo

Editora Estrondo! lança fotolivros de mulheres artistas

Primeira editora brasileira de fotolivros dedicada a publicar obras de mulheres apresenta os primeiros títulos

por Revista FHOX

Hoje (6 de março), a partir da 19h, acontece o lançamento dos fotolivros das artistas visuais Amanda Carneiro, Bete Coutinho e Júlia Godoy, selecionadas e premiadas pelo projeto “Estrondo!”, na Alfinete Galeria.

Cada título tem 100 exemplares numerados e assinados e estarão à venda no local por R$35,00 cada. 

A apresentação das publicações marca o início das operações da editora Estrondo!, voltada para a edição, editoração, publicação de livros de artistas e fotolivros realizados por artistas mulheres e pessoas que se identificam com o gênero feminino e que tenham na fotografia uma de suas linguagens poéticas. A Alfinete Galeria fica na 103 Norte Bloco B Loja 66, Brasília-DF.

Como tudo começou

A escolha dos trabalhos ocorreu por meio de edital público aberto no dia 14 de agosto de 2019. Ao longo de 30 dias, o projeto recebeu cerca de 100 trabalhos que usavam a fotografia como linguagem a partir das mais diferentes abordagens. 

Com um júri formado pela curadora Cinara Barbosa, de Brasília, e pela artista visual Elza Lima, do Pará, foram selecionados os trabalhos das artistas Amanda Carneiro, Bete Coutinho, Júlia Godoy – que terão seus livros lançados na Alfinete – e Gisele Lima e Isabella Atayde – que participam da segunda etapa de lançamentos ainda no primeiro semestre de 2020.

Além de terem seus livros editados e publicados, as artistas selecionadas receberam um prêmio de R$ 1.000,00 (um mil reais). Os exemplares serão vendidos e o valor será revertido integralmente para os artistas. 

O projeto Estrondo! é patrocinado pelo Fundo de Apoio à Cultura do Distrito Federal – FAC/DF. No dia 21 de março, as publicações serão apresentadas na 10º edição do Festival de Fotografia de Tiradentes (MG). Definitivamente, um dos mais importantes do país.

Uma editora para mulheres artistas

Criada há dois anos pela fotógrafa e cientista social Michelle Bastos, em Brasília-DF, a Editora Estrondo é a primeira editora brasileira de fotolivros dedicada a publicar obras de artistas mulheres. 

A necessidade se deu pela subpublicação evidente de mulheres na área de fotolivros, assim como a pouca representação feminina em galerias, museus e festivais de fotografia. 

Apesar de estarmos no século XXI, a presença masculina ainda é majoritária e, algumas vezes, exclusiva nesses campos, inclusive em júris de concursos de fotografia e curadoria para exposições. Dessa forma, se faz tão importante um trabalho como este. 

Mais que uma editora que publica mulheres, Estrondo ocupa um lugar de fazer, pensar e refletir a imagem contemporânea. Colocando em prática um conhecido discurso, que é necessário, mas implementado ainda com superficialidade, que as mulheres podem e devem ocupar todas as esferas do fazer humano.

Sobre os fotolivros e as artistas 

“Ariar” – Amanda Carneiro

O objetivo deste trabalho é o questionamento do ser e de suas moradas, através de uma busca por entender o ser Kalunga. Trançando elos entre passado, presente e futuro. Questiono a ligação dos espaços, tempos, objetos e do próprio ser humano; fazendo paralelos entre a casa e o ser que ali reside. Tais semelhanças são construídas de forma que levam a entender que a “residência”, como objeto de habitação. Passa a ser mais uma vestimenta de um ser que habita um corpo. Assim, por correspondência, tudo que compõe aquele espaço é uma extensão do próprio ser humano. “Ariar” fala sobre a necessidade de se manter um vínculo com o antigo, com o passado; e, ao mesmo tempo, estar presente no agora. 

“Brasília Pequena” – Bete Coutinho

A partir do registro fotográfico de pequenos detalhes, minuciosamente garimpados em fragmentos de arquiteturas depredadas no centro da capital do Brasil, “Brasília Pequena” é criada. O personagem, que encena o palco de pequenas verdades e ilusões, inspira-se na história (a vinda do ex-presidente Juscelino Kubitschek a Brasília, após o exílio). Do concreto ao abstrato, do real ao imaginário. Fotografia, desenho. Um livro, um objeto. Um convite ao lúdico.

“Vírgula” – Júlia Godoy

Como tratar da escrita sem as palavras? Ou, ainda, como usar um símbolo exclusivamente verbal no universo da imagem? Do texto ao tecido, os cruzamentos das histórias, suas tranças e tramas, do anonimato de práticas coletivas a práticas individuais. Esse ensaio é um elogio ao espírito humano. Orientado pelas linhas, pelas (des)costuras e pela intimidade que desafia a solidão do não lugar. As intersecções estabelecem pontos de contato entre diferentes disciplinas, atravessa a semantização da imagem, do texto e da linguagem como um habitante que vive na história. Reinventa itinerários e prolonga a fantasia. Reconhecemo-nos no rompimento da palavra, na cumplicidade de um texto perdido e na abundância do verbo na história da escrita, das tramas e dos itinerários do homem comum.

Enfim, não deixe de conferir os títulos. Da mesma forma em que você pode fortalecer a arte ainda contribui com a valorização do trabalho das mulheres.

Serviço: Editora Estrondo!
Lançamento dos Fotolivros das artistas Amanda Carneiro, Bete Coutinho e Júlia Godoy
Preço | R$35,00
Quando | 6 de março, sexta-feira
Horário | A partir das 19h
Local | Alfinete Galeria
Endereço | CLN 103 Bloco Loja 66 – Brasília – DF

Se você gostou deste conteúdos, com certeza vai gostar de outros temas aqui em nosso site. Por isso, leia também: Espelhos e linhas para retratos surrealistas