2 meses atrás | Leo Saldanha

Instagram e o impacto crescente no mundo dos negócios

Entrevista recente com Romero Jennings, diretor artístico da marca canadense de cosméticos M.A.C, indica o quanto a redes social interfere em diferentes aspectos da vaidade e muda a dinâmica dos negócios de diferentes setores da economia

por Revista FHOX
Foto: Allure

Leitura agradável e informativa é esse entrevista de Romero Jennings, diretor artístico da M.A.C. para o Universa do UOL. Ele fala do impacto dos filtros na aparência das pessoas. Isso é algo que abordamos em matérias passadas. Como a influência das selfies nas cirurgias plásticas. Romero diz que as mulheres estão se maquiando para o Instagram. E que essa mudança de comportamento não é necessariamente ruim. O fato é que falamos disso recentemente do novo negócio dos filtros com realidade aumentada. E até o exemplo fascinante de Ines Alpha, designer de filtros em RA para maquiagem virtual. O discurso de Romero mostra como a empresa está investindo no desafio de transformar maquiagem em filtro. Isso mesmo, de criar um produto que as mulheres querem para atender esse desejo. 

Do virtual para o real (e vice-versa) – A nova era da maquiagem parecer filtro mostra-se ao mesmo tempo instigante e promissora. Talvez assuste no sentido de que o virtual nos afeta a esse ponto. Inegável é que esse avanço é tendência. Do Instagram afetando as experiências para que tudo seja compartilhado na rede social. A palavra da vez é instagramável. Romero debate sobre questões filosóficas e estéticas que envolvem a vaidade em tempos de selfie e do espelho que o smartphone se tornou. Pois as mulheres usam hoje mais a câmera do dispositivo do que o reflexo do espelho mais próximo. Segundo ele a tendência em maquiagem da era dos filtros traz justamente a popularidade dos elementos gráficos. E mais ainda: ele comenta sobre o TikTok como uma novidade que também chega para afetar como nos vemos e como queremos ser vistos.

A maquiagem para Instagram/TikTok envolve a importância da autoexpressão. E isso tende a influenciar a fotografia como um todo daqui para a frente. Aliás, o Instagram parece (ao menos hoje) como uma plataforma mais do que consolidada justamente pela necessidade de nos expressarmos com imagens. Deve ser por essa razão que hoje o Insta virou um canal sedimentado em suas três áreas (feed, stories e IGTV). Tanto é verdade que podemos passar nosso tempo só ali. Deslizando o dedo na tela. Em uma palestra do RD On The Road que participei no ano passado a especialista no palco dizia que deslizamos em média 80 metros de Instagram por dia em nossos smartphones. Então não é para menos que o tempo gasto entre os apps de qualquer usuário sempre traz essa rede social como uma das principais ladras de tempo. Se rouba ou não nosso precioso tempinho é outra discussão. 

Instabusiness – O que está claro  nessa entrevista é a força incontestável do Instagram na última década (os puristas dirão que os dez anos se encerram no fim desse ano, ok?). Basta comparar com nosso comportamento. Quando você pensa em busca não resta nenhuma dúvida de que o Google é o local de pesquisa. Virou sinônimo do negócio, aquele sonho de marketing tão raro. Pois não me parece diferente com o Insta. Quando pensamos na nossa melhor expressão digital visual lembro da minha “instapessoa”. Deve ser por conta disso que nessa última década a plataforma se valorizou em mais de 100 vezes desde sua compra por um bilhão de dólares pelo Facebook. E agora entramos em uma fase misteriosa tentando entender os meandros do Instagram. “me diga quando viu esse post” e vire “meu melhor amigo” na lista do Stories. Uma transformação que parece indicar a ferramenta como algo que vai muito além da rede social comum. Prova disso é que virou o ponto do marketing para quase todos os negócios e pede presença com vídeos, GIFs, Boomerangs, Lives, Enquetes e muito Stories. Uma rede com muitas redes dentro dela. Com um mapa de negócios e tendências via hashtag e a possibilidade de você criar um estúdio digital (ou chame de lojinha) com resultados surpreendentes. E inspirando museus, exposições, projetos, produtos e serviços. A palavra insta grudando em tudo no mundo real. Tanto é verdade que uma marca como a MAC (100% conectada a vaidade) está investindo para criar uma maquiagem que encante como aquele filtro que você tanto aprecia. 

Esse assunto e muitos outros farão parte do conteúdo na nova turma da Escola de Negócios FHOX no próximo dia 13 de fevereiro em São Paulo. O Seminário Marketing 4.0 vai abordar esse impacto e muitas outras transformações que influenciam a fotografia como negócio. A propósito, como está seu instabusiness