Conheça o ImageCon - Conferência do Imaginário

CAI: veja como funciona na prática a tecnologia de autenticidade da ADOBE

Até então a CAI (Content Authenticity Initiative – iniciativa de autenticidade de conteúdo) parecia ser só uma ideia. Mas agora com a demonstração na prática é possível ver como funciona. Primeiro é importante pontuar: essa iniciativa cria um novo padrão para conferir a veracidade e atribuição que será cada vez mais útil para criadores e também no combate ao fake news e afins. O que isso representa é que qualquer pessoa poderá checar as informações de uma foto na hora e no dispositivo de uma forma completa. Adobe, Qualcomm (sensores) e a Truepic (blockchain) demonstraram a parceria e o resultado é empolgante. 

As primeiras imagens geradas com a tecnologia foram capturadas em “modo seguro” em um smartphone da Qualcomm (protótipo) com o sistema de autenticação da Truepic embutido. A Truepic já foi mostrada na FHOX antes. Um app com blockchain para identificar e gerar arquivos únicos mesmo sendo digitais. Quando a foto é gerada (como nessa demonstração) é gerado um arquivo com todos os dados atribuídos. Algo que aparece no Photoshop por exemplo na hora de editar a foto. Toda vez que for usado o programa de edição vai aparecer a informação sobre essas atribuições. Ou seja, se for editada e mexida muitas vezes todo esse processo ficará marcado no arquivo mesmo em novas edições. Quem for olhar e checar poderá ver toda a jornada. Para ter acesso a isso, o usuário só vai precisar clicar no ícone “i” no canto da imagem e daí aparece o gráfico. 

 

Vale lembrar que Adobe, New York Time e Twitter abraçaram essa novidade. O que quer dizer cada vez mais avanço no uso desse sistema no futuro. Tudo para que as pessoas possam entender e ver quando uma foto é real ou não e como foi editada. Não é difícil imaginar que a evolução dessa novidade possa ser usada também para outros problemas como uso indevido de imagens e outros conflitos. 

Saiba mais: Case Study — Content Authenticity Initiative