Entrevistas 3 semanas atrás | Mozart Mesquita

Isabelle Hattink: a fotógrafa nº 1 no Fearless

A holandesa Isabelle Hattink, que viaja o mundo fotografando casamentos e colhendo prêmios, será destaque na fotografar

por Revista FHOX

Colaboração Maíra Erlich

Eleita a melhor profissional do ano passado pela prestigiada associação Fearless, Isabelle é a primeira atração confirmada do Congresso Fotografar 2019. Aqui, após uma introdução de Maíra Erlich, ela responde a algumas perguntas da FHOX e apresenta seu trabalho.

 Isabelle Hattink

Não dá para passar ileso pela fotografia de Isabelle Hattink. Munida de composições certeiras e luzes marcantes, ela nos presenteia com um humor formidável equilibrado a uma delicadeza poética escancarada em suas fotos. Tais fotos e fatores me geraram a curiosidade de conhecer mais sobre quem conseguia trazer tudo isso em imagens tão marcantes. Por sorte – ou destino-, acabamos por nos conhecer pessoalmente durante uma conferência do Fearless na Europa, quando imediatamente pude perceber que sua fotografia não era por acaso. Isabelle está em cada uma de suas imagens. Ela é tudo isso.

 Isabelle

FHOX – Como você enxerga o mercado da fotografia de casamento hoje?

Isabelle Hattink – Isso depende do país onde você trabalha. Tudo se desenvolveu demais depois do crescimento das mídias sociais. O mundo está ficando cada vez menor e muitos destination weddings estão acontecendo. Isso ocorre também por conta de ferramentas como o Fearless, onde as pessoas podem encontrar fotógrafos em qualquer lugar do mundo. Por exemplo, nos Estados Unidos é costume trabalhar com 2 fotógrafos. Na Europa isso não era comum, mas hoje em dia está ficando. É uma boa evolução, porque agora a fotografia já está sendo mais aceita como uma verdadeira obra de arte, ao invés de apenas um registro para se ter. É uma história documental para você ver para o resto da sua vida. As pessoas estão apreciando isso cada vez mais.

 Isabelle

FHOX – Qual a importância da impressão para o seu trabalho?

Isabelle – É muito importante. Eu acho que quando você imprime um álbum, você cria uma experiência totalmente diferente. Se você olhar as imagens numa tela, vai passar por elas rapidamente e não perceberá o que está acontecendo no fundo da foto. Já um álbum, você muitas vezes olha junto com a família, falando sobre a foto e experienciando aquele momento mais uma vez. Imprimir dá mais valor à imagem.

 Isabelle

FHOX – O que você acha do futuro da fotografia?

Isabelle – Acho que ainda tem que evoluir muito, se você comparar com a pintura, que evoluiu ao longo de séculos. A fotografia está por aí há pouco mais de um século, ainda precisa ser mais aceita para que a vejam como uma forma de arte. Precisamos dar às pessoas mais liberdade. Se pudermos tirar fotos verdadeiras e mostrar ao mundo o que realmente está acontecendo, isso beneficiará a aceitação. Isto deve evoluir nos próximos anos.

 Isabelle

FHOX – Como você vê o mundo hiperconectado em que vivemos hoje?

Isabelle – É rápido. Na fotografia você vive apressado, nós vivemos vidas apressadas, mas é uma escolha. Se você quiser desacelerar, você pode. Essa também é uma escolha possível para fazer na sua fotografia: observar as coisas, desacelerar, fazer uma decisão e, em seguida, se deixar levar e mover-se o mais rápido possível entre as pessoas ao seu redor para fazer a foto. Acho que é uma escolha ceder ao mundo hiperconectado. Todo mundo conhece todo mundo através das redes sociais, se é isso que você quer dizer sobre estar hiperconectado. Acho que é muito bom, o mundo está ficando cada vez menor. Tenho amigos da fotografia em todo o mundo. Nós falamos a mesma língua em nossa profissão e podemos aprender muito uns com os outros por causa de nossas diferentes culturas e visões. Fico muito feliz com isso.

 Isabelle

FHOX – Como você se promove?

Isabelle – Apenas sendo eu mesma. Resposta fácil, mas é assim. Eu faço fotos das coisas como elas são e apresento minha vida como ela é. É uma profissão emocional e pessoal. Eu não quero ser uma fotógrafa com status, que as pessoas achem que são menores e eu maior. Quero que eles se sintam à vontade comigo, que possam se nivelar comigo e confiar em mim a ponto de ficarem vulneráveis na minha presença. Por isso, eu me divulgo mostrando minha vida no Facebook, mostro fotos que acontecem entre momentos e também as pequenas coisas, que são realmente as coisas importantes na vida. Eu mostro meu trabalho no Instagram, Facebook, tento postar no blog, mas estou atrasada nisso. Atualizei meu site para que as pessoas possam me achar no Google. Tenho uma assessoria de imprensa que me ajudou quando ganhei o Prêmio de Melhor Fotógrafa do Ano 2017, pelo Fearless. Isso me ajuda, mas é principalmente no boca a boca onde eu consigo novos casamentos.

 Isabelle

FHOX – Que equipamentos você usa?

Isabelle – Eu tenho 2 Nikon D850, lentes 85 mm e 28 mm, mas eu uso mais uma câmera só com a lente 24-70 mm. Eu tenho um monte de flashes Nikon, mas geralmente eu uso apenas três. Meu equipamento tem que ser o mais simples possível, pois se ficar  complicado me atrapalha. Eu fotografo buscando o momento, então tenho que antecipá-lo e ser rápida. Tenho que correr, sentar no chão, subir em árvore. Por isso eu trabalho só com uma câmera.

 

 Isabelle