Entrevistas 3 meses atrás | Jucelene Oliveira

Conheça o sensível trabalho do artista visual Kilian Glasner

“Encontros Austrais”, bela exposição do artista Kilian Glasner na Galeria Lume será prorrogada em razão da quarentena.

por Revista FHOX

Se você gosta de arte ou de fotografia, ou ainda de ambos numa mesma composição, com certeza irá apreciar o sensível trabalho de Kilian Glasner, artista recifense de 42 anos, que usa a fotografia como parte de sua arte.

Seu projeto mais recente, intitulado “Encontros Austrais” (recentemente exposto na Galeria Lume em São Paulo e suspenso no momento em razão da quarentena que todos nós temos vivido), motivou-o a desbravar o continente sul-americano, percorrendo uma jornada de 20.000 km de carro sozinho, ao atravessar cinco países da América do Sul. O título da mostra alude aos encontros que Glasner teve no decorrer da aventura.

Kilian Glasner
Kilian Glasner em sua jornada solitária pela América do Sul.

O artista visual conversou com Fhox para contar mais sobre sua trajetória, desenvolvimento e sobre seus trabalhos.

“Desde 2009 eu uso a fotografia como parte do meu processo criativo. Mas os resultados são principalmente desenhos, pinturas e instalações. A fotografia é o ponto de partida. A ferramenta que uso para registro e pesquisa”, explica.

Glasner começou a estudar fotografia no ano de 2000 durante sua graduação na Ecole Des Beaux Arts, de Paris, onde residiu de 2000 a 2007. Do período em que viveu na Europa destacam-se a residência artística na Academia Francesa de Artes em Roma, a Villa Médici, e mostras coletivas na França, Holanda e Itália. De de lá para cá, ele não parou mais.

“Fiz alguns trabalhos fotográficos na Cordilheira do Himalaia. Todos com câmera analógica, usando filmes cromo. Também fiz uma série de fotografias chamada “Rua do Futuro”, apresentada pela primeira vez no Itaú Cultural em 2009”.

O artista também foi premiado no 39º Salão de Artes Plásticas de Pernambuco, em 1999.

Kilian Glasner.
“Encontros Austrais” está em exposição na Galeria Lume em São Paulo. Painel: Kilian Glasner.

Encontros Austrais

Sobre o projeto “Encontros Austrais”, o qual está em exposição na Galeria Lume desde o dia 18 de fevereiro (com previsão inicial de ficar até 21 de março – prorrogada agora sem data ainda definida), ele conta que a ideia surgiu no início de 2019.

Leia Também: Em tempos de quarentena visite museus sem sair de casa

“Meu desejo em conhecer as Constelações Austrais e de me aventurar em uma viagem sozinho para viver uma experiência de autoconhecimento foram minhas maiores motivações. Planejei uma viagem de carro passando por cinco países da América do Sul. Meu principal interesse eram as paisagens do continente. Tive que me preparar física e emocionalmente e isso se deu durante a viagem. Os custos foram altos, afinal, foram cem dias de viagem. Todo o trajeto eu fiz em carro próprio; levei três câmeras digitais e uma boa quantidade de cartões de memória”, relembra.

Ao ser questionando sobre a experiência vivida e as mudanças de um país para outro, bem como os desafios encontrados pelo caminho, ele é enfático ao dizer que “cada país tem características próprias” e que isso serviu para enriquecer sua pesquisa.

“Cada povo tem uma cultura diferente e apenas viajando de carro é possível perceber tais mudanças de comportamento. A viagem começou em junho, em pleno inverno. Isso foi um desafio. Eu seguia para o sul e as condições climáticas ficavam mais extremas. Passei muito frio em alguns lugares e as estradas também são muito perigosas no inverno devido ao gelo e a neve”, esclarece.

Mesmo na condição de viajante solitário, ele se deparou com nativos, andarilhos, pessoas que lhe trouxeram inspiração, que apresentaram novas paisagens e modos de vida.

“Encontrei gente de todo tipo, nativos, aventureiros, guias de montanha. Cada pessoa tinha uma riqueza pessoal e eu gostava de escutar as histórias, isso enriqueceu o projeto”.

Kilian Glasner
Kilian Glasner ao volante nesta jornada solitária.

O artista já teve este trabalho exposto em alguns estados do Brasil, o que dá reconhecimento e mais força ao seu projeto.

“Meus trabalhos já foram expostos em mais de dez estados brasileiros. Acre, Paraíba, Pernambuco, Bahia, Distrito Federal, Rio de Janeiro, Minas Gerais, São Paulo e Paraná. O retorno do público está sendo muito positivo. Recebo com frequência mensagens das pessoas e boas críticas”

Ao ser questionado sobre suas referências ou inspirações na fotografia, na arte ou na vida, ele diz que são muitas. “Na fotografia, Anselm Adams. Na pintura Anselm Kiefer, Gerard Richter, na vida meus amigos e as pessoas que encontro pelo caminho”.

A experiência de viagem solitária não lhe rendeu apenas boas imagens, mas também uma vivência única e imersiva de autoconhecimento.

“Definitivamente foi um mergulho no ser. A ideia de partir só foi com o intuito do autoconhecimento e em relação a solidão não tive problemas efetivos. No início foi um pouco estranho, mas aos poucos fui me ambientando na condição de viajante solitário e segui em frente”.

Leia Também: Sete filmes dirigidos por mulheres para assistir gratuitamente
Kilian Glasner
Por onde passou. Imagem: Kilian Glasner.

Ele ainda completa que a inspiração aumenta a cada projeto. “Tenho interesse em continuar minha pesquisa sobre as paisagens. Quero viajar para outros continentes em busca desse conhecimento e sempre pensar em trazer para o público um conteúdo de impacto que acrescente e enriqueça a arte contemporânea”, finaliza.

Glasner eternizou as paisagens pelas quais passou em mais de três mil fotografias. São registros de lugares diversos do continente, do Deserto do Atacama até o Mato Grosso do Sul, transformados agora em 20 desenhos e pinturas que compõem a mostra. Em alguns trabalhos, o artista traz elementos do hiper-realismo, enquanto em outros faz valer técnicas de pinturas mais soltas.

Enquanto a Galeria Lume está fechada (e não é possível conferir pessoalmente o trabalho de Kilian Glasner) confira abaixo duas imagens incríveis que ele fez nesta viagem.

Kilian Glasner.
Encontros Austrais, na Galeria Lume. Kilian Glasner.
Kilian Glasner.
Encontros Austrais, na Galeria Lume. Kilian Glasner.

Para conhecer mais do trabalho do artista visual, siga-o no Instagram.

Serviço:
Encontros Austrais, individual de Kilian Glasner
Local: Galeria Lume
Abertura: 18 de fevereiro, terça-feira, a partir das 19h
Período expositivo: De 18 de fevereiro a 21 de março (data prorrogada em razão da quarentena)
Visitação: de segunda a sexta-feira, das 10h às 19h | sábados, das 11h às 15h
Endereço: Rua Gumercindo Saraiva, 54 – Jardim Europa, São Paulo Telefone: (11) 4883-0351