Uma contribuição de lojistas de foto ao fotoclubismo

por Revista FHOX Publicado há 3 anos atrás | por Regina Sinibaldi
equilibrista-01
Sergio Sombra

Dos fotoclubes em atividade no País, cerca de uma centena, um chama atenção pela maneira como foi criado. É o “Poesia do Olhar”, em São Luís, que nasceu por iniciativa do lojista de foto Sergio Sombra. Ele me disse que não foi tão difícil fundá-lo. “Basta ter boa vontade e amor à fotografia”, foram suas palavras.

Para facilitar o caminho de quem pensa fomentar a fotografia pelos milhares de municípios brasileiros por meio de um fotoclube, ele dá o roteiro: “Nos filiamos à Confoto, que é a Confederação Brasileira de Fotografia e aí recebemos várias dicas da parte burocrática. Fizemos registro do clube no cartório e tiramos o CNPJ. Depois veio a parte de atrairmos associados. Hoje já somos mais de cem associados e sempre tem alguém querendo entrar. Essa iniciativa cria laços de amizade e até casamentos já aconteceram por conta do clube”. Indo além, é reanimar a fotografia impressa, pois uma imagem bacana pode ganhar várias possibilidades em suporte físico, desde o tradicional papel fotográfico até o metacrilato.

Os fotoclubes já tiveram momentos de grande euforia no Brasil, dos anos 50 até o fim da década de 90. Vários talentos da fotografia foram revelados por essas agremiações. É só lembrar nomes como Thomaz Farkas, German Lorca, José Yalenti, Gaspar Gasparian, por exemplo, que foram associados do Foto Clube Bandeirante, o mais antigo do País em atividade. Foi fundado em 1939, em São Paulo.

Para finalizar, pedi ao lojista Sergio Sombra algumas imagens de seu acervo pessoal. Ele enviou três da série “O Equilibrista”. Dá para perceber que ele ama fotografia.