Por Nicolau Piratininga
É formado em Comunicação Social pela Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) e entusiasta da fotografia. Realizou diversos cursos de especialização em artes e em fotografia, além de atuar em projetos paralelos de registros fotográficos da cidade de São Paulo. Foi gerente da divisão Conservart da empresa Molducenter, especializado em montagens de materiais Fine Art. Possui expertise em acondicionamento, conservação e restauro de acervos em papel. Em 2014 tornou-se o primeiro latino americano a obter o certificado Guild Commended Framer pela Fine Art Trade Guild na Inglaterra de emolduramento de obras de artes.  peixeseco@gmail.com

Lembranças que marcam

As fotos guardam eternizam momentos da nossa história

por Revista FHOX Publicado há 3 meses atrás | por Nicolau Piratininga

Duas pessoas que já faleceram há bastante tempo, foram marcantes para mim, e considero-me um grande sortudo por ter comigo suas fotos para lembrar delas com muito carinho.

Uma delas é meu avô, um cara determinado, inteligente e perspicaz, que passou por maus momentos na II Guerra e se refugiou no Brasil. Tenho muitas recordações do tempo em que passamos juntos, e minha mãe também ainda fala sobre as situações inusitadas que ele viveu e das suas citações otimistas e bem-humoradas.

Quando quero lembrá-lo sempre olho uma foto em que estamos juntos, ambos sorrindo à toa, como dois bons amigos. Essa fotografia é a melhor imagem que posso ter de meu avô.

A segunda pessoa que me inspira foi meu primo Daniel. Muitos anos atrás, próximo de completar 18 anos, foi diagnosticado com um tipo raro de câncer, e pouco tempo depois ele se foi. Tínhamos uma diferença de idade grande, meu primo era bem mais velho e um exemplo pra mim.

Halfpoint

 

Talvez por um bloqueio psicológico, não consigo me lembrar muito dos tempos em que estivemos juntos, mas em todas as fotos de nós dois eu estou às gargalhadas.

Do meu saudoso primo veio minha primeira câmera. Uma Pentax K 1000, com a qual aprendi, comecei a fotografar e me encantar por esse universo. Talvez meu destino fosse diferente se eu não tivesse recebido essa pequena herança dele. Trocaria qualquer coisa do mundo para que ele estivesse hoje aqui, mas infelizmente o caminho foi outro.

A Feira Fotografar foi outro grande responsável pelo meu encantamento com a fotografia e pela minha busca de me aprofundar e me especializar no assunto. Lembro bem de andar pelos corredores nas primeiras edições como visitante e descobrir o tamanho e o potencial do mercado.

Anos depois descobri o outro lado da Feira e do Congresso, participando como expositor e colaborando na criação do Fórum Fine Art e colocando uma pequena semente desse mercado,
que hoje se tornou o Bureau Fine Art e um grande ponto de encontro dos impressores do país.

A Edição deste ano, para mim será especial; teremos na programação do FHOX Talks um bate-papo sobre montagem e conservação de fotografias. Estarei por lá levando comigo recordações do meu avô e do meu primo e, assim como são os corredores da feira, na sala serão 20 minutos de conversa para inspirar e motivar