Por Nicolau Piratininga
É formado em Comunicação Social pela Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) e entusiasta da fotografia. Realizou diversos cursos de especialização em artes e em fotografia, além de atuar em projetos paralelos de registros fotográficos da cidade de São Paulo. Foi gerente da divisão Conservart da empresa Molducenter, especializado em montagens de materiais Fine Art. Possui expertise em acondicionamento, conservação e restauro de acervos em papel. Em 2014 tornou-se o primeiro latino americano a obter o certificado Guild Commended Framer pela Fine Art Trade Guild na Inglaterra de emolduramento de obras de artes.  peixeseco@gmail.com

Enquadramento

Não é à toa que existem muitas empresas pelo Brasil voltadas para esse nicho de mercado que transformam fotos maravilhosas em quadros e exposições fantásticas

por Revista FHOX Publicado há 5 meses atrás | por Nicolau Piratininga

A montagem de um quadro envolve muitos detalhes. Infelizmente, nem todo mundo nota ou valoriza isso. Fotógrafos e artistas tendem a considerar somente o seu esforço, e muitas vezes pecam na montagem e não percebem o quanto o trabalho final poderia ficar incrível.

Claro que isso não é uma regra, há muita gente que aprecia todos os atributos de uma boa montagem e reconhece o valor que agrega ao trabalho como um todo. Não é à toa que existem muitas empresas pelo Brasil voltadas para esse nicho de mercado que transformam fotos maravilhosas em quadros e exposições fantásticas.

Parede do Espaço Ophicina – Foto de Renato Gaiofato

Sem querer entrar em uma grande discussão artística, mas apenas querendo chamar atenção para um ponto, acredito que os fotógrafos têm três grandes momentos de enquadramento, e no terceiro deles há um certo descuido ou uma menor preocupação.

O primeiro é a escolha do motivo, do tema, do momento. O segundo seria a hora de edição, ampliação, revelação, impressão ou a publicação dela com o recorte que queremos e temos a disponibilidade de fazer.

O último enquadramento é transformando a foto em um quadro. Talvez por ser a última etapa, o cuidado já não é mais o mesmo. Agora há também muita gente boa fazendo montagens espetaculares e tomando todas as preocupações de conservação possíveis.   

Já ouvi das bocas de muitos fotógrafos por aí que querem a menor interferência possível na sua obra. Optam pelas molduras mais discretas, evitam o uso de passepartout e, se possível, não querem nem vidro. Não que isso seja um erro, mas também não deve ser a norma. Seria interessante pensar que essa interferência pode ser muito positiva.

Fonte: Site Moldurarte

A escolha da moldura correta pode proteger e, dependendo do tamanho do quadro, dar a estrutura e suporte necessários. A moldura não precisa ser um grande destaque do quadro,  mas ela pode realçar o quadro na parede. O uso do passepartout pode direcionar o olhar da pessoa,. A janela de abertura pode estar descentralizada e não há limite para margens enormes que podem  ampliar ou fixar um olhar.

A presença do vidro é indispensável para efeitos de proteção, mas hoje em dia é possível optar pela interferência do reflexo ou não no quadro. Posso dizer por mim que já me emocionei olhando o meu reflexo dentro de uma fotografia especial. Um reflexo pode marcar nossa presença se fundindo com a imagem. Nossa presença como espectador fica marcada. Assim também como é possível usar vidros que praticamente excluem os reflexos sem alterar nitidez ou perda de cor na imagem. É maravilhoso quando temos orçamento para escolher o que realmente queremos e certamente pode ser considerado no valor final da obra.

As meninas de Velázquez. Fonte Wikipedia

Outro ponto importante que dificulta as melhores montagens é o abandono de orçamento nessa fase. A grande maioria das exposições de fotografia tem um a previsão orçamentaria de valores baixos destinados para isso. Querer gastar o mínimo possível nos deixa com a visão limitada do amplo efeito que um quadro pode ter sobre o ambiente.

Temos em muitos lugares do Brasil moldurarias incríveis capazes de fazer montagens maravilhosas, mas, infelizmente, ultimamente só tenho visto ousadia nas montagem de espelhos e objetos.

Quer uma ideia? Pense diferente, comece uma exposição ou projeto conversando com a última ponta da cadeia. Converse com seu moldureiro, conheça mais sobre a capacidade e o processo dele. Crie um quadro para depois criar a foto.