Do outro lado do mundo

Eu sabia pouco (quase nada) do mercado asiático e foi incrível ver como a fotografia e a impressão se desenvolveram em locais isolados das tendências culturais e econômicas americanas e europeias

por Revista FHOX Publicado há 4 meses atrás | por Marco Perlman

Saí de casa às 22 horas numa 5ª feira de maio. Trinta horas depois, cheguei à recepção do hotel em Seul. Exausto, quebrado, perdido com as 12 horas de fuso horário, mas animado para conhecer um pouco do mercado asiático de fotografia e impressão digital.

Uma semana depois, após dois voos longos demais, reencontrei minha esposa e meu filho. Ainda mais exausto, mais quebrado, recém-adaptado ao fuso do outro lado do mundo e precisando reverter isso urgente…mas, acima de tudo, feliz com a experiência, o aprendizado e as novas ideias!

Foto: tawatchaiprakobkit/ IStock

A DScoop, grupo de usuários de HP Indigo, organiza todo ano três eventos para desenvolvimento de negócios, troca de experiências e aprendizado. Desde 2005, participei de quase todas os encontros do continente americano, de norte a sul, em várias cidades dos EUA. Ano passado, fui a Lyon, para a edição europeia. Desta vez, fui convidado a palestrar no evento que engloba Ásia e Oceania. Com muito orgulho (e certo frio na barriga, confesso), aceitei.

Foi gostoso contar um pouco da nossa história, dos nossos erros e acertos, dos nossos desafios e oportunidades, dos episódios engraçados e desesperadores que permeiam a vida de um empreendedor brasileiro. Foi ainda melhor ouvir a história desse pessoal que tem uma vida tão parecida com a nossa, mesmo estando tão longe.

Eu sabia pouco (quase nada) do mercado asiático e foi incrível ver como a fotografia e a impressão se desenvolveram em locais isolados das tendências culturais e econômicas americanas e europeias.

Os países são muito diferentes e há conteúdo para absorver em cada um. Pequenos como Cingapura e Taiwan talvez sejam parecidos. A Coreia do Sul e o Japão têm culturas diferentes (até antagônicas), mas desfrutam de conectividade total, rápida e barata, viabilizando novos modelos de negócios.

A Índia, com casamentos longos, brilhantes e coloridos, tem diferenças regionais espantosas. A China é um continente com oportunidades gigantescas, desafios únicos e barreiras tecnológicas isolacionistas. Já a Tailândia tem um mercado de impressão fotográfica incipiente, parecido com o Brasil de 10 anos atrás, até em questões climáticas e tecnológicas.

Conheci equipamentos, insumos e tecnologias de que tinha ouvido falar, mas nunca tinha visto. Falei com pessoas brilhantes, conheci empreendedores incríveis e visitei fornecedores poderosos. Voltei inspirado e animado com nosso mercado – difícil é priorizar para não colocar a carroça na frente dos bois!