Por Daniel Freitas
Daniel Freitas é mineiro de Ponte Nova, mas hoje vive e trabalha em Pelotas (RS). Ele fotografa casamentos e desde o ano passado começou também a investir na fotografia documental. Embora desafiador, o resultado mostra-se diferenciado e gratificante. Freitas já desponta com uma das referências no Brasil nesse estilo fotográfico. danielfreitasfotografia@gmail.com

Conversa com Wellington Fugisse

Daniel Freitas entrevistou o fundador da Fine Art Association. Os dois conversaram sobre fotografia de família e outros assuntos fotográficos

por Revista FHOX Publicado há 2 anos atrás | por Daniel Freitas
Foto de Bruno Guedes
Foto de Bruno Guedes

No intuito de propagar a fotografia de família e a mudança que ela vem sofrendo, resolvi procurar o amigo, fotógrafo e fundador da Associação FineArt.

Nos acostumamos a ver associações apenas voltadas a fotografia de casamento, a FineArt tem como diferencial ser a única Associação nacional que premia por categoria e também tem coleções especiais durante o ano. E o legal que toda coleção especial é voltada para uma causa, com toda renda revertida para ajudar alguma instituição.

Daniel Freitas
Foto de Daniel Freitas

Semana passada saiu o resultado da coleção especial de fotografia de família, onde os jurados, o casal da Panoptes (Irmina e Savio) exerceram sua função com excelência. Os comentários de cada fotografia feitas pelo Fugisse mostram a sensibilidade por trás da Associação.

Renato DPaula
Foto de Renato DPaula

Renato DPaula que falou sobre o tema “Fotografia Documental de Família” na fotografar desse ano teve 8 fotos premiadas nessa coleção.

Link de todas fotos da coleção: http://www.fineartassociation.com.br/colecoes-e-premiacoes/concurso-especial-fotografia-de-familia

Entrevista:

– Como você vê a fotografia de família no Brasil?

O movimento da estética está dando abertura ao movimento dos significados. Esse é um processo que está acontecendo na fotografia de modo geral. Não que a estética seja brigada com a fotografia narrativa, mas integrar os dois elementos com maior cuidado é uma preocupação recente. Antigamente a estética por si só era suficiente pra maioria, tanto dos clientes quanto dos fotógrafos. Essa mudança também está acontecendo de modo intenso na fotografia de família, as fotos bonitas em locais exuberantes estão dando lugar a fotografia que documenta a rotina comum das famílias em seu local mais natural, o próprio lar. Vejo tudo isso de forma muito positiva.

Foto de Deiwid Oliveira
Foto de Deiwid Oliveira

– Me fale um pouco sobre a última coleção da edição especial de família da FineArt.

O resultado da coleção está profundamente ligado ao jurado que examinou e escolheu as imagens vencedoras, então, de cara me dá alegria saber que o Sávio e a Irmina da Panoptes toparam julgar este concurso. Digo isso, porque sou admirador da riqueza do trabalho deles. É lindo, é natural, é autoral e cheio de elementos que me reportam a minha própria infância. É simplesmente lindo! E quando eles toparam, eu já tinha certeza absoluta da beleza do resultado final. A coleção foi uma das mais elogiadas desde o início da associação. É bom demais receber esse feedback!

Foto de Laura Lopes
Foto de Laura Lopes

– Para você qual a importância tem para o trabalho de um fotógrafo ter suas fotos julgadas, premiadas?

Eu vejo muitas discussões a respeito das premiações de fotografia. Uma das coisas que os fotógrafos que não curtem afirmam é que os participantes estão cheios de ego, em busca de selos e fama. Eu discordo, na verdade penso o contrário disso, porque essa descrição não bate com a maioria dos fotógrafos que concorrem na FineArt. Participar de uma competição fala sobre ganhar, mas fala também sobre perder. Colocar uma foto para julgamento pode ser justamente tirar o ego de fora do jogo, pois você está colocando seu trabalho a prova para ver se alguém que não estava ali, que não te conhece, que não tem ligação nenhuma com você ou com os fotografados, vai julgar aquela foto que você acha tão linda, realmente interessante. Dizer de si para si que a foto é incrível é algo fácil de fazer, receber feedback positivo do cliente é maravilhoso, mas é bacana também ver se as pessoas que não estão emocionalmente envolvidas com o trabalho acham as suas imagens interessantes. Isso enriquece o lado artístico do profissional, isso ajuda a tirá-lo da zona de conforto, isso o faz contar as histórias de um modo mais forte e impactante, a ponto de impressionar até mesmo os que não conhecem as pessoas ali retratadas. Muitas vezes o cara que critica é aquele que colocou as fotos pra julgamento uma vez, não ganhou e deixou o ego tomar conta. Se é pra participar, a gente precisa entender que perder é tão importante quanto ganhar, pois as duas coisas vão nos auxiliando e aumentando nosso poder de autocrítica e autoanálise. As duas coisas nos conduzem ao crescimento de nosso processo criativo. A importância de participar dos concursos, do meu ponto de vista, é primeiramente esse, usar a plataforma como ferramenta de crescimento do processo criativo, submetendo seu trabalho a análises constantes. Na minha carreira, as fotografias premiadas também ajudaram a consolidar minha marca no meu mercado, e quando você é visto pelo seu cliente como referência ou autoridade no que faz, fica muito mais fácil fechar contratos, atrair o cliente que você deseja fotografar, direcionar seu público.

Foto de William Perin
Foto de William Perin

– O que a FineArt tem pensado em relação a fotografia de família, a tendência é que esse espaço cresça dentro da associação?

Sim, desde que iniciamos eu tinha planos para essa área que eu tanto admiro, e o envolvimento dos membros no último concurso de família me deram a certeza de que esta área vai crescer muito, de que os fotógrafos de família estão com vontade e garra de fazer diferente, de mostrar a força de seu trabalho ao mundo, de propagar a histórias das pessoas que fotografam. Teremos pelo menos quatro concursos voltados a fotografia de família durante cada ano da associação.

Foto de Rafael Karelisky
Foto de Rafael Karelisky
Foto de Ludy Siqueira
Foto de Ludy Siqueira