Variedades 2 meses atrás

Foco e Rock ‘n’ Roll: quando o olhar do fotógrafo também é o de fã

“No começo, você clica ridiculamente para escolher entre 10 milhões de fotos. Depois começa a ‘dançar’ com o artista e consegue a foto. E é muito bom quando acontece”, diz Felipe Tazzo.

por Revista FHOX

Por Gabrielle Cesaretti e Thalita Monte Santo

Luz, cor e muito som! Fotografar shows pode ser um desafio, mas também é recompensador segundo o fotógrafo Felipe Tazzo. É preciso, além de um olhar que muitas vezes é o de fã, saber como funciona a dinâmica de palco, os refletores e por onde as luzes vão transitar.  

“No começo, você clica ridiculamente para escolher entre 10 milhões de fotos. Depois começa a ‘dançar’ com o artista e consegue a foto. E é muito bom quando acontece”.

Para ele, que é “um roqueiro das antigas”, uma de suas maiores experiências em coberturas de shows foi a apresentação da banda Sepultura, no ano de 2017, em Campinas. Que a princípio não havia sido contratado para fazer. 

Fotografando shows de rock
Felipe Tazzo

“Fotografar o Sepultura para mim foi um baita acidente de percurso. Eu fui contratado pela produtora para fotografar o DJ que abriria a noite. Achei que não me deixariam ficar no show. A produção foi muito gente boa e me liberou para circular no palco e na plateia. Me diverti muito mais do que trabalhei”, brinca. 

Por já ter subido em muitos alambrados e grades e, consequentemente, ter levado muitas “broncas”, hoje ele aposta nas lentes para registrar as apresentações. “Eu levo uma câmera e, em geral, uma lente 24-70 mm. Minha câmera é full frame com a função de reverter para o sensor cropado com um botão. Aí o 70 mm vira 105 mm. Uma mão na roda”, diz. 

Dicas do fotógrafo

Uma sugestão de Tazzo para quem vai cobrir um show ou evento de palco é buscar espaço na plateia. Assim, além de aproveitar a apresentação, o fotógrafo também consegue ângulos do ponto de vista do público. 

“É bacana se posicionar na plateia, no meio da galera mesmo. Dá uma experiência de show muito boa. Se você estiver em um show agitado, caia na pista para dançar. Você vai tomar umas cotoveladas, uns pisões, esbarrão na câmera. Faz parte, abstrai”, aconselha. 

Fotografando shows de rock
Felipe Tazzo

Agora, se o evento é mais introspectivo, Tazzo aconselha o profissional a ser muito sutil. “Não tem nada mais irritante do que tentar curtir um show e ver o fotógrafo correndo para lá e pra cá”, finaliza.

Confira mais sobre o trabalho do fotógrafo: