Autoral 6 meses atrás

FOTÓGRAFA PERNAMBUCANA FAZ ENSAIO SOBRE A AUTOESTIMA NA TERCEIRA IDADE

por Revista FHOX

Afinal, o que é preciso para que uma pessoa se sinta jovem? Essa foi uma das perguntas que embasaram o trabalho de conclusão de curso da fotógrafa Thaísa Falcão, de Pernambuco.

Ela, pensando em registrar a celebração da autoestima, realizou um ensaio com diversos idosos, para mostrar força, alegria e beleza de quem está na melhor idade. Especialista em retrato, Thaísa fotografa desde 2012 e gosta de colocar um pouco de si em tudo o que captura.

O ensaio é um convite para o resgate da auto aceitação e do amor pela vida. Vale a pena conferir!

Texto e fotos por Thaísa Falcão 

Foto: Claudia Araujo

Vivemos em uma época marcada por incríveis mudanças de comportamento, protagonizadas pela chamada terceira idade, na qual os conceitos de juventude e velhice têm sido questionados e modificados, provando serem essas questões de ponto de vista. Vontade de aprender, viver, os sonhos e planos. O que nos mantém jovens é a nossa mente! E assim sendo, vemos diariamente muitos avós dando uma aula de juventude para os netos.

Essa é uma fase da vida marcada por transformações físicas, psicológicas e sociais, que pedem uma série de adaptações que influenciam diretamente a autoimagem e autoestima dos idosos. Dificuldades de adaptação são comuns e normais, mas vemos muito mais provas de resistência e superação, mostrando os idosos como exemplos de força e persistência.

É cada vez mais comum encontramos idosos ativos no mercado de trabalho, cuidando de suas famílias, viajando, comprando, estudando, empreendendo e se destacando. Quando se enxergam aptos a transpor quaisquer limites que impõem para si e se permitem novas experiências e aprendizados, adquirem maior consciência de seu potencial. E é isso que os impulsiona e levanta a autoestima.

Uma ferramenta bastante eficaz nessa reconquista ou afirmação da autoestima é a fotografia, pois seu poder está nas evocações de sentimentos e memórias contidos em seus detalhes, que trazem o olhar para uma perspectiva mais positiva.

Mudar para melhor a maneira como alguém se vê e consequentemente como se define, aumenta a confiança e promove a aceitação de sua imagem corporal. Esse ensaio, que foi parte do meu Trabalho de Conclusão de Curso, da graduação em Fotografia, é uma celebração da autoestima, da capacidade de superação que o ser humano traz em si quando entende que tem o poder de se limitar ou quebrar barreiras. São retratos que revelam força, alegria, beleza e bem-estar. Uma lembrança e afirmação de suas capacidades, do potencial de mudança e superação que possuem e, porque não dizer, de sua juventude!