Exposições 4 anos atrás | Diogo Amorim

Retrato Popular é tema de exposição em SP

Obras do acervo do Memorial da Cultura Cearense, como fotopinturas de Mestre Julio, fazem parte da mostra

por Revista FHOX

Um retrato pode representar uma personalidade, um estilo, a beleza e a religião como parte da cultura de um povo e a representação de pertencimento. É o recorte que pausa o tempo e oferece aos admiradores uma amostra – fictícia ou real – de um momento especial. Para celebrar esse tipo de registro, que serve tanto como um modo de preservação da história e da memória, como também da criação de uma realidade, o Sesc Belenzinho promove a exposição Retrato Popular, que abre no próximo dia 5 de maio e fica em cartaz até 31 de julho.

A volta do Lambe-Lambe.
A volta do Lambe-Lambe. Créditos: Luiz Santos e Tonho Ceara.

Sob curadoria de Rosely Nakagawa, Valeria Laena e Titus Riedl, a mostra reúne obras do acervo do Memorial da Cultura Cearense – Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, de Fortaleza (CE), e de colecionadores particulares, que reconstroem a história da fotografia popular, não só por meio de suas imagens, como também pelas câmeras e artifícios utilizados desde o início do século XX.

Fazem parte da exposição coleções de monóculos, ex-votos fotográficos, câmeras de lambe-lambe, os tradicionais cavalinhos e charretes para fotografias de crianças e moldes e retratos pintados por Mestre Julio, um dos maiores nomes da fotopintura brasileira. Alguns materiais do estúdio dele, como antigas fotografias restauradas e moldes que ensinam seus aprendizes a como fazer suas pinturas, também fazem parte da mostra.

Além disso, há também fotografias, gravuras, esculturas em madeira e argila e lonas pintadas por profissionais que se dedicam ao ofício, como Tiago Santana e Tonho Ceará, ambos de Juazeiro do Norte, Luiz Santos, de Recife, e o próprio Mestre Julio, de Fortaleza. Outros registros – de fotografias, muitas de personagens anônimos – fazem parte da coleção de um dos curadores, pesquisador e professor da Universidade Regional do Cariri, Titus Riedl.

Tercilia da Silva_fotopintura do Mestre Julio Santos
Retrato de Tercília da Silva, antes e depois da pintura feita pelo Mestre Julio.

A proposta da exposição Retrato Popular é mostrar a importância dessa tradição comum em todo o Brasil, que é considerada um patrimônio da história da fotografia regional e parte relevante do registro de cidadãos de todas as classes sociais. Essa fotografia popular que, ao longo dos anos, tornou-se cada vez mais rara nas feiras e passou a integrar a arte contemporânea, alcançando um status hoje considerado cult.

“A fotografia popularizou o retrato nas camadas sociais que emergiram na Revolução Industrial e se retrataram para se perpetuar como a nova classe ascendente”, diz Rosely. “Até então, apenas os nobres podiam ser retratados por um pintor que cobrava muito caro por seus serviços. Eram retratos que ostentavam a posição social e o poder do retratado por meio de roupas, adereços, objetos ao fundo (cortinas, tapetes, móveis, espelhos, etc.). A partir da descoberta do daguerreótipo, fazer um retrato ficou mais simples, necessitando apenas de uma câmera fotográfica num estúdio com iluminação adequada e um laboratório”, completa.

Serviço

O que
Exposição Retrato Popular
Quanto
Grátis
Onde

Galpão do Sesc Belenzinho
Rua Padre Adelino, 1000, Belenzinho – São Paulo (SP)

Quando

Abertura: 5 de maio (quinta-feira), às 20h
Visitação: de 6 de maio a 31 de julho de 2016.

Outras infos

Tel.: (11) 2076-9700
Agendamento de grupos
: pelo email agendamento@belenzinho.sescsp.org.br

As informações acima são de responsabilidade do estabelecimento e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.