Participe do SIM. Semana do Imaginário Materno!


Retrato Popular é tema de exposição em SP

Um retrato pode representar uma personalidade, um estilo, a beleza e a religião como parte da cultura de um povo e a representação de pertencimento. É o recorte que pausa o tempo e oferece aos admiradores uma amostra – fictícia ou real – de um momento especial. Para celebrar esse tipo de registro, que serve tanto como um modo de preservação da história e da memória, como também da criação de uma realidade, o Sesc Belenzinho promove a exposição Retrato Popular, que abre no próximo dia 5 de maio e fica em cartaz até 31 de julho.

A volta do Lambe-Lambe.
A volta do Lambe-Lambe. Créditos: Luiz Santos e Tonho Ceara.

Sob curadoria de Rosely Nakagawa, Valeria Laena e Titus Riedl, a mostra reúne obras do acervo do Memorial da Cultura Cearense – Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, de Fortaleza (CE), e de colecionadores particulares, que reconstroem a história da fotografia popular, não só por meio de suas imagens, como também pelas câmeras e artifícios utilizados desde o início do século XX.

Fazem parte da exposição coleções de monóculos, ex-votos fotográficos, câmeras de lambe-lambe, os tradicionais cavalinhos e charretes para fotografias de crianças e moldes e retratos pintados por Mestre Julio, um dos maiores nomes da fotopintura brasileira. Alguns materiais do estúdio dele, como antigas fotografias restauradas e moldes que ensinam seus aprendizes a como fazer suas pinturas, também fazem parte da mostra.

Além disso, há também fotografias, gravuras, esculturas em madeira e argila e lonas pintadas por profissionais que se dedicam ao ofício, como Tiago Santana e Tonho Ceará, ambos de Juazeiro do Norte, Luiz Santos, de Recife, e o próprio Mestre Julio, de Fortaleza. Outros registros – de fotografias, muitas de personagens anônimos – fazem parte da coleção de um dos curadores, pesquisador e professor da Universidade Regional do Cariri, Titus Riedl.

Tercilia da Silva_fotopintura do Mestre Julio Santos
Retrato de Tercília da Silva, antes e depois da pintura feita pelo Mestre Julio.

A proposta da exposição Retrato Popular é mostrar a importância dessa tradição comum em todo o Brasil, que é considerada um patrimônio da história da fotografia regional e parte relevante do registro de cidadãos de todas as classes sociais. Essa fotografia popular que, ao longo dos anos, tornou-se cada vez mais rara nas feiras e passou a integrar a arte contemporânea, alcançando um status hoje considerado cult.

“A fotografia popularizou o retrato nas camadas sociais que emergiram na Revolução Industrial e se retrataram para se perpetuar como a nova classe ascendente”, diz Rosely. “Até então, apenas os nobres podiam ser retratados por um pintor que cobrava muito caro por seus serviços. Eram retratos que ostentavam a posição social e o poder do retratado por meio de roupas, adereços, objetos ao fundo (cortinas, tapetes, móveis, espelhos, etc.). A partir da descoberta do daguerreótipo, fazer um retrato ficou mais simples, necessitando apenas de uma câmera fotográfica num estúdio com iluminação adequada e um laboratório”, completa.