Conheça o ImageCon - Conferência do Imaginário

Festival de Fotografia de Paranapiacaba

Criatividade e envolvimento com o lado lúdico da fotografia, assim será o primeiro Festival de Fotografia de Paranapiacaba, que acontece nos dias 15 e 16 de setembro, na Vila Histórica, em Santo André.

A ideia do evento é estimular a colaboração e o compartilhamento de memórias. Além de vlorizar a arte, cultura, empatia e a criatividade. O 1º Festival de Fotografia de Paranapiacaba também será um encontro para discutir fotografia e educação.

A programação promete ser intensa com oficinas, exposições, debates, feira de trocas, projeções, passeios e muito mais. “Com a proposta de trabalhar a potencialidade cultural existente na paisagem natural, o festival irá explorar o local como museu a céu aberto por meio de oficinas, debates, exposições e atividades diversas” diz um comunicado da organização explicando a essência do festival.

A Vila de Paranapiacaba fica a 50km de São Paulo. O festival é organizado pelo curador e professor João Kúlcsar. Saiba mais e inscreva-se: https://www.festivalfotoparanapiacaba.com.br

Veja o release oficial do evento: 

Dias 15 e 16 de setembro a vila inglesa será tomada por programação gratuita de exposições, bate-papos, feira de publicações e presença de grandes nomes como Claudia Andujar, João Roberto Ripper, Alexandre Sequeira, Evandro Teixeira, Nair Benedicto, Denise Camargo e Diógenes Moura e Márcio Vasconcelos.

Um trem histórico sairá da estação da Luz, em São Paulo, no dia 15 de setembro, até Paranapiacaba, percorrendo 48 quilômetros em um hora e trinta minutos

Ponto comum entre fotógrafos amadores e profissionais, o distrito de Paranapiacaba ganha em setembro um Festival que pretende unir cultura, arte e  educação e acessibilidade a partir da fotografia. A vila inglesa, que surgiu para abrigar os trabalhadores que construíram a linha ferroviária Santos-Jundiaí, fica a 484 quilômetros de São Paulo e encanta pelas construções em madeira, paredes coloridas, ruas estreitas de paralelepípedo e luz encoberta pela neblina. “É preciso criar oportunidades de debate e aprendizado para todos, inclusive propondo a reflexão sobre o uso consciente e crítico da imagem”, diz João Kulcsár, idealizador e coordenador do projeto.

Nos dois dias de programação, 15 e 16 de setembro, o público terá acesso a exposições, ações educativas, oficinas para crianças e adolescentes, palestras, feiras de publicações, projeções noturnas, uma câmera obscura gigante e lançamentos de livros. “A ideia é estimular uma troca entre profissionais e amantes da fotografia, educadores e alunos, potencializado por um local propício a se tornar um museu a céu aberto”, reflete Kulcsár, que é Mestre em Artes pela Universidade de Kent (Canterbury, UK) e professor visitante na Universidade de Harvard, além de coordenar um o projeto de Alfabetização Visual.

Entre os convidados para as mesas de conversas, estão confirmados Claudia Andujar, João Roberto Ripper, Alexandre Sequeira, Evandro Teixeira Nair Benedicto, e Denise Camargo, além de nomes que participarão das programações das casas parceiras, as Estações, que abrigarão pequenas exposições, bate-papos e lançamentos. Na Estação Vento Leste já estão confirmados os fotógrafos Márcio Vasconcelos e Érico Hiller, e o curador e escritor Diógenes Moura, que lerá um dos textos do recém-lançado O Livro dos Monólogos (Recuperação para Ouvir Objetos).

Trem – Olhar Expresso

Pela primeira vez, no sábado, dia 15 de setembro, um trem histórico construído na década de 1950 fará o trajeto da estação da Luz até Paranapiacaba. Os 48 quilômetros serão percorridos em uma hora e trinta minutos. Além das passagens de ida e volta, o ingresso contemplará um lanche durante a viagem, um tour pela Vila de Paranapiacaba e visitas guiadas em duas exposições do Festival. Ingressos pelo site do Festival.

https://www.facebook.com/ffparanapiacaba/videos/289638981633295/?acontext=%7B%22action_history%22%3A%22[%7B%5C%22surface%5C%22%3A%5C%22page%5C%22%2C%5C%22mechanism%5C%22%3A%5C%22page_upcoming_events_card%5C%22%2C%5C%22extra_data%5C%22%3A[]%7D]%22%2C%22has_source%22%3Atrue%7D

Exposições Fotográficas

A Vila receberá uma série de exposições durante o evento entre elas:

HISTÓRIAS DE BRINQUEDOS

Quais são seus brinquedos favoritos?

Fotografias: Gabriele Galimberti

Curadoria: João Kulcsár

Com a pergunta do título em mente Gabriele Galimberti visitou mais de 50 países durante 2 anos registrando imagens de crianças com seus bens mais preciosos: seus brinquedos.  O Fotógrafo captou a espontaneidade e a naturalidade que envolve o brincar independente do território e de suas diversas origens.

EVANDRO TEIXEIRA

1968 – 50 anos de história

“Evandro Teixeira, 1968 – 50 anos de história para não esquecer” tem fotografias de um dos mais importantes nomes do fotojornalismo brasileiro. Evandro fixou inúmeras imagens que marcaram a ditadura, estabelecida em 1964, com destaque a implantação do AI-5, no ano de 1968. Protestos, repressão militar, violência, arbitrariedade, são algumas das cenas que serão apresentas nesta mostra.

Acessibilidade 

A exposição Vila de Paranapiacaba reunirá fotografias feitas por deficientes visuais, e poderá ser visitada por todos, já que será acessível, com imagens tridimensionais que possibilitam o toque. O projeto é parte da pesquisa realizada por Kulcsár desde 2008. “Ao dispararem o botão da câmera, focando a acessibilidade, pessoas com deficiência visual propõem uma discussão sobre a questão da técnica e da estética fotográfica, além de transformar o ato de fotografar num ato político, que nos faz repensar o conceito de cegueira”, garante.

Ação social e Comunidade 

O Festival pretende promover a participação ativa da comunidade em todas as suas dimensões, desde cursos de formação, reuniões de apresentação do projeto para contribuição dos moradores, formação de público, trabalho de alfabetização visual com a escola, artistas locais, planejamento do evento com os restaurantes, pousadas e moradores.  O processo foi iniciado três meses antes do Festival e continua por mais dois meses após o encerramento.

Feira de publicações     

Durante o festival teremos a Feira de Publicações: um espaço para lançamentos e discussões sobre livros e visibilidade para editoras e produções independentes de fotolivros e zines, além de fotos autorais e objetos de fotografia. O espaço já está praticamente todo preenchido.

Estação Alfabetização visual   

Uma casa típica da Vila de Paranapiacaba será ponto de encontro de formação para crianças, adolescentes e professores da rede pública, com atividades lúdicas, brinquedos, câmeras de orifício, caleidoscópios, laboratório fotográfico, lanterna mágica, jogos com imagens e oficinas. Uma exposição fotográfica pensada nas crianças terá suas obras numa altura mais baixa que as comuns em museus. Para os professores, teremos a formação de Uso de Fotografia em Sala de Aula na Escola Estadual Senador Lacerda Franco e na escola Municipal.  

Parcerias

Senac-SP, SESC-SP, Vento Leste Editora, REDE de produtores culturais da Fotografia, FHOX e CPTM.

Realização

Alfabetização Visual e Prefeitura de Santo André.

A programação completa será divulgada em breve no site e redes do Festival:

https://www.festivalfotoparanapiacaba.com.br/

https://www.facebook.com/ffparanapiacaba/videos/1609503615821251/

https://www.facebook.com/ffparanapiacaba/photos/a.225107011419826/225101398087054/?type=3&theater

FHOX: mais que uma revista, uma ferramenta indispensável para quem vive fotografia

Se você tem uma matéria, um relato, uma coluna, um tutorial ou qualquer outro tipo de conteúdo e quer contribuir com o FHOX.com.br, nos envie! Nosso departamento de redação vai analisar e, se aprovado, será publicado e assinado por você, respeitando todas as regras do direito autoral. Colabore clicando aqui: Você na FHOX.