Exposições 3 anos atrás | Redação

“A Estrela” mostra o cotidiano de pessoas privadas de liberdade

Exposição reúne fotos e textos das cinco edições do periódico na Galeria de Arte do Centro Cultural Sesi Minas, até 4 de fevereiro

por Revista FHOX
Fotos: Gustavo Baxter

Os relatos em primeira pessoa, séries de fotojornalismo, crônicas, poemas e imagens artísticas que estampam as páginas d’A Estrela (revista inteiramente produzida por pessoas privadas de liberdade) nos ajudam a entender o que se passa na cabeça de quem vive do outro lado das grades. Afinal, quais são suas angústias, o que pensam, o que querem e sentem? Para ampliar essa reflexão, o periódico extrapolou seu formato original e ocupa as paredes da Galeria de Arte do Centro Cultural Sesi Minas, em exposição inédita que encerra no dia 4 de fevereiro de 2018. A entrada é franca e o horário de visitação é das 9 às 18 horas, de terça a domingo.

A exposição “A Estrela” é composta por uma seleção de 15 textos e 80 fotos (em formato ampliado), conteúdo que foi originalmente publicado na edição piloto da revista, que circulou em novembro de 2014, e nas quatro edições subsequentes, viabilizadas ao longo de 2016 e 2017 pelo Rumos Itaú Cultural. A mostra é realizada pelos idealizadores e editores do periódico, a jornalista Natália Martino e o fotógrafo Leo Drumond, que também estão à frente do Projeto Voz, conjunto de iniciativas na área de comunicação desenvolvidos em unidades prisionais.

Para Martino e Drumond, “A Estrela” é um instrumento que permite que homens e mulheres privados de liberdade se expressem. “Quando as pessoas pegam a revista pela primeira vez, em geral a reação é de admiração. Acham a revista bonita. Depois vem a surpresa: ‘como assim ela foi feita por pessoas presas? Sério? Essa foto também? E esse texto aqui, também? É verdade isso?’. E aí elas começam a entender muita coisa, principalmente que aquelas pessoas atrás das grades não são assim tão diferentes delas. São pessoas que têm sonhos, medos, planos, arrependimentos. São mães, pais, irmãos, filhos, amigos. Como qualquer outra pessoa. Nossas semelhanças são maiores que nossas diferenças. E é para isso que a revista existe. Não para falar de crimes – para isso, já temos muitos jornais. A revista é para falar sobre o que há de mais humano em todos nós. E agora estamos muito felizes ao ver que isso tudo está pela primeira vez em uma galeria de arte e alcançando outro tipo de público. Que mais pessoas escutem essas vozes, vejam essas fotos e se permitam serem surpreendidos”, destacam os editores.

 

Saiba mais sobre a revista “A Estrela”

Homenagem ao periódico homônimo que circulou na década de 1940, “A Estrela” era produzida na Penitenciária Central do Distrito Federal e publicava artigos desenvolvidos por detentos ao lado de textos escritos por grandes expoentes do direito penal no período. Um editorial de 1944 resume bem o perfil da publicação: “Quem melhor do que o próprio encarcerado poderá indicar aquilo de que mais carece? Para que legislar, decretar; para que conferências penitenciárias se àquele mais fundamentalmente visado por essas medidas é recusado o direito de falar, e quando os seus mais justos anseios devem ser recalcados?”.

A revista e a publicação digital “A Estrela” contam com conteúdo exclusivamente produzido pelos detentos. São ensaios fotográficos, textos em diversos formatos e vídeos. Na edição piloto, produzida na Associação de Proteção ao Condenado (APAC) do município de Itaúna (MG), um dos participantes desenhou a logomarca da revista, que foi revisitada nos números seguintes. Todos são incentivados a se expressar com qualquer recurso artístico que desejarem, como ilustrações e composições musicais. Para conferir o que foi feito nos números já produzidos, basta acessar o material no link: http://www.nitroimagens.com.br/projetos/aestrela/?p=395 .

SERVIÇO

O que: Exposição “A Estrela”

Onde: Galeria de Arte do Centro Cultural Sesi Minas (Rua Padre Marinho, 60 – Santa Efigênia)

Encerramento: 4 de fevereiro de 2018

Visitação: De terça a domingo | das 9 às 18 horas (Entrada franca)