Exposições 3 anos atrás | Redação

Em Milão, Fundação Prada inaugura espaço dedicado à fotografia contemporânea

O novo espaço está localizado no quinto e no sexto andar da emblemática Galleria Vittorio Emanuele II, na Piazza del Duomo

por Revista FHOX

No fim do século 19, com o advento da câmera portátil, a fotografia deixou os estúdios e ganhou o dia a dia, se tornando um instrumento para documentar rituais da vida privada. Nos anos 2000, com a popularização da internet e com o surgimento das redes sociais, a fotografia sofreu uma nova mudança. Essa transformação, mais uma vez, mudou a forma como nós retratamos nossa vida pessoal e cotidiana e inspirou a exposição “Give Me Yesterday”, primeira do Observatório, área dedicada às tendências da fotografia contemporânea que acaba de ser inaugurada pela Fundação Prada em Milão.

fotografo-logo-existo-4Izumi Miyazaki

Em cartaz até o dia 12 de março, a mostra reúne 53 trabalhos de 14 artistas de diferentes partes do globo, feitos desde o início dos anos 2000. “O diário fotográfico perdeu a espontaneidade de antigamente. Ficou mais encenado e performático, principalmente porque essas imagens são postadas a todo momento nas redes sociais”, diz o curador Francesco Zanot.

Os artistas

Vão estar presentes obras dos seguintes fotógrafos: Melanie Bonajo, Kenta Cobayashi, Tomé Duarte, Irene Fenara, Lebohang Kganye, Vendula Knopova, Leigh Ledare, Wen Ling, Ryan McGinley, Izumi Miyazaki, Joanna Piotrowska, Greg Reynolds, Antonio Rovaldi e Maurice van Es.

Saiba mais:

O trabalho de Ryan McGinley ilustra bem o impacto das plataformas digitais na fotografia. Tido como um dos sucessores de Nan Goldin, o americano ficou famoso na virada dos anos 2000 ao clicar a vida de sua entourage nova-iorquina de forma nua e crua. Seus cliques se diferenciam de sua antecessora pela consciência de seus personagens de estarem em seu foco – em 2003, o artista passou a organizar eventos onde dirigia seus amigos em diversas situações. Realidade e performance se tornaram difíceis de se separar.

fotografo-logo-existo-2Ryan McGinley

Essa ambiguidade também permeia a série “Pretend You’re Actually Alive”, do americano Leigh Ledare, cuja mãe aparece em momentos íntimos, desconstruindo seu papel. É interessante perceber como os artistas da exposição nascidos nas décadas de 70 e 80 manifestam a chegada das redes sociais e sua influência na fotografia de forma diferente da geração que veio ao mundo nos anos 90. “Leigh Ledare é um ótimo exemplo de artista da geração X que faz sátiras com o fato de o personagem saber que está sendo observado e fotografado”, diz o curador Francesco Zanot.

fotografo-logo-existo-3Leigh Ledare

Mas a descoberta mais surpreendente de “Give Me Yesterday” é o trabalho de Greg Reynolds, que apesar de ser o artista mais velho da exposição, com 58 anos, é o mais novo do grupo na profissão – o americano lançou sua primeira obra, Jesus Days, em 2014. A imagem faz parte de uma série de fotos inéditas clicadas pelo artista entre 1978 e 1983, quando ele ainda trabalhava como pastor em Kentucky e antes de fazer seu coming out como fotógrafo, se assumir homossexual e mudar-se para Nova York.

fotografo-logo-existo-1Greg Reynolds