Cursos e Palestras 2 semanas atrás | Thalita Monte Santo

MIS abre a temporada de cursos de férias

Na grade, cursos que abordam televisão, cinema, fotografia e literatura

por Revista FHOX

Maio passou rápido, junho já está aí e logo julho traz as férias. E, com elas, a temporada de Cursos de Férias de Julho, no MIS. Um dos destaques da programação é o Björk: Paradigmas do Pós-Humanismo.exe, que integra a programação paralela da exposição Björk Digital, que fica em cartaz no MIS de 18 de junho a 18 de agosto.

Os cursos, que permeiam as mais diversas áreas do conhecimento – como televisão, cinema, fotografia e literatura -, são de curta duração e possuem investimentos a partir de R$ 120. As inscrições podem ser feitas diretamente no site do MIS.

MIS
(foto: Site MIS)

Confira abaixo mais informações:

Curso: Fotografia para câmeras compactas e smartphones

MIS
(foto: Site MIS)

Data: de 11 a 30 de julho (06 encontros, sendo 01 saída fotográfica)
Horário: de 3ª e5ª feira, das 09h às 12h
Local: Sala Multiuso (20 vagas)
Critério de seleção: ordem de chegada das inscrições.
Valor: R$180.
Publico: para maiores de 16 anos
Pré-requisito: trazer o equipamento que será utilizado: câmera ou celular

Sinopse: Este curso é indicado para pessoas que fotografam no seu cotidiano e utilizam equipamentos como câmeras compactas e smartphones. Serão abordados conceitos sobre fotografia digital, equipamentos, acessórios, lentes, programas de edição e aplicativos, além de dicas de composição, iluminação natural e como explorar ao máximo seu equipamento.

Com conteúdo teórico e prático, o curso permitirá ao aluno incrementar as formas de fotografar viagens, fazer retratos, eventos, e pode, ainda, auxiliar em situações profissionais.

Sobre o professor: Marcelo Andrade é publicitário especializado em fotografia. Já fotografou para  diversas editoras, agências de publicidade, e fotografa em seu estúdio atores, modelos, famílias, crianças, personalidades e assim por diante. Ensina a todos que gostam de fotografia e querem fotografar cada vez melhor. Foi professor na Escola de Fotografia Riguardare, no SENAC e em cursos e workshops oferecidos no Estúdio H2O onde é o fotógrafo chefe e proprietário.

Curso: Fotografia de retrato

MIS
(Foto: Melissa Szymanski/ Site MIS)

Data: de 02 a 23 de julho de 2019 (06 encontros)
Horário: de 3ª e 5ª feira, das 19h às 22h
Local: Sala Multiuso (20 vagas)
Critério de seleção: Trazer máquina fotográfica. Ordem de chegada das inscrições.
Valor: R$180.

Pré-requisitos: Possuir conhecimento das funções básicas da câmera no modo criativo: ISO, velocidade do obturador, abertura do diafragma, fotometria, diferença entre arquivo RAW e JPEG e balanço de brancos. Trazer a câmera fotográfica que será usada.

Sinopse: O curso combina teoria e prática, oferecendo aos alunos análise de autores de referência, informações técnicas e sensibilização para realizar fotografias de retrato. Serão apresentadas aos alunos ferramentas para aprimorar sets fotográficos para se adequar às especificidades do retrato e seus temas. Outros tópicos abordados são: treinamento do olho para controle de luz, gestão de sessão de fotos, direção do assunto a ser fotografado, desenvolvimento de linguagem e estética próprias, desenvolvimento da capacidade de analisar uma fotografia não só do ponto de vista técnico, mas também da compreensão estética e conceitual, importância da escolha do conteúdo, composição e iluminação do estúdio e fotografia externa (luz natural).

Sobre a professora: Melissa Szymanski é fotógrafa formada e pós-graduada pela Faculdade Santa Marcelina. Participou de diversos cursos em Milão nas áreas de fotografia de moda e still life. Trabalhou na revista italiana Moda Pelle na execução de editorias e publicidade. Atua como docente de Fotografia na FASM, Instituto Europeo di Design (IED) e no projeto Pontos MIS. Ministrou durante sete anos aulas de fotografia na Escola São Paulo. Coordenou o workshop de fotografia “Di Cavalcanti, Anita Malfatti e Tarsila do Amaral” pela Oficinas Culturais do Estado de São Paulo. Desenvolve seu trabalho como fotógrafa para agências de modelos, marcas diversas, sites e reportagens.

 

Como conquistar o trono de ferro

MIS
(foto: Site MIS)

Data: de 22 de julho a 01 de agosto (04 encontros)
Horário: das 19h às 22h, de 2ª e 5ª feira
Local: Auditório LABMIS (64 vagas).
Valor: R$120.

Sinopse: Game of Thrones é uma série produzida pela HBO e aclamada pela crítica desde seu lançamento. Baseada nos livros de ficção épica intitulados As crônicas de gelo e fogo, de George R. R. Martin, a história se passa em Westeros, uma região qualquer da Europa Medieval, e gira em torno da batalha pelo Trono de Ferro, disputado por algumas das principais famílias da região. Um dos pontos centrais é a chegada de um longo inverno, já que nessas terras as estações foram levadas a um desequilíbrio e podem durar vários anos. Com a chegada do inverno, também chegam forças sobrenaturais para assolar os Sete Reinos e destruir Westeros, que contam com a proteção da Patrulha da Noite, responsáveis pela defesa do reino contra todos, sejam homens ou criaturas, que vivem além das Muralhas. A série enfatiza, sobretudo, o jogo do poder. É uma série sobre política e retrata as conspirações e rivalidades que acirram a disputa pelo Trono de Ferro, o símbolo do poder absoluto de Westeros.

Considerando que Game of Thrones é uma série que estabelece as relações sobre política e poder, podemos destacar características tanto de Maquiavel como de Thomas Hobbes, por exemplo, a partir de posições tomadas por diferentes personagens, como Tyrion Lannister, Daenerys Targaryen ou Eddard Stark. Podemos vê-los como heróis, vilões ou anti-heróis. Game of Thrones é um bom exemplo sobre a política contemporânea, suas relações e seus atores políticos. A partir dessas relações, delimitamos alguns pontos a ser discutidos em quatro aulas:

– o poder como forma de comunicação;

– o poder é um truque, uma forma de comunicação manipulada;

– o poder como uma ilusão e um mito;

– o poder como poder e sua capacidade de uso da violência;

– o poder como meio de conquistar as massas ou uma hegemonia para o uso da coerção;

– o declínio e queda do poder nas mãos de quem não age de forma implacável com seu adversário.

Sobre o professor: Eduardo Molina é professor e palestrante graduado em História e pós-graduado em Política e Relações Internacionais. Já colaborou com especiais para a revista Mundo Estranho, rádios 97 e Estadão, além de jornais e revistas. É criador do Canal Geek História e da empresa Molinart Treinamento e Desenvolvimento, que utiliza a cultura pop – histórias em quadrinhos, filmes, séries e músicas – para levar conhecimento para empresas e instituições de ensino através de palestras e treinamentos.

Curso: Como desengavetar o projeto do seu livro infantil

MIS
(foto: Site MIS)

Data: de 29 de julho a 01 de agosto (04 encontros)
Horário: de 2ª, 3ª, 4ª e 5ª feira, das 18h às 21h
Local: Sala Multiuso (15 lugares)
Valor: R$200
Pré-requisitos: Trazer um bloco de papel A4, material para desenho (lápis colorido, canetinha, lápis para desenho, borracha, apontador, etc…)

Sinopse: O curso oferece uma oportunidade para os alunos darem forma e corpo a um projeto de livro infantil já existente. Através de um passo a passo bem direcionado e cuidadoso, a professora irá orientar os alunos para que as ideias de cada um se tornem projetos passíveis de ser apresentados para o mercado editorial.

Aula 1: Ideias e Conceitos – Apresentação de linguagens possíveis. Análise de obras diversas.

Orientação individual e compreensão de ideias iniciais dos alunos.

Aula 2: Formatos – Apresentação de formatos possíves. Orientação de redação de texto.

Aula 3: Linguagem sequencial e boneco – O livro como objeto visual e seu corpo físico. Montagem de boneco.

Aula 4: Fechamento – Apresentação e discussão dos trabalhos produzidos pela turma.

Sobre a professora

Janaina Tokitaka é bacharel em Artes Visuais pela Universidade de São Paulo e começou sua carreira como escritora em 2010, quando publicou seu primeiro álbum ilustrado, Tem um monstro no meu jardim. Desde então, publicou quarenta outras obras para o público infantil e juvenil. Participou como autora convidada da FLIP 2012 (Feira Literária de Paraty). Seus livros Sétima noite de verão (Ed. Escrita Fina) e Tem um monstro no meu jardim (Ed. Escrita Fina) foram selecionados pelos programas federais PNBE (Plano Nacional Biblioteca na Escola) e FNDE – Alfabetização na Idade Certa para compor o acervo básico de bibliotecas públicas em todo território nacional, somando mais de 200.000 cópias adquiridas. Seu livro Escamas (Ed. Cortez, 2014) recebeu o selo “altamente recomendável” pela instituição FNLIJ (Fundação Nacional de Literatura Infantil e Juvenil). Seus livros Escamas e A árvore: os três caminhos foram selecionados para representar o Brasil no catálogo da Feira do Livro Infantil e Juvenil de Bologna. As ilustrações para o livro O mercado dos Goblins (Ed. Companhia das Letras, 2015,) foram selecionadas para a edição 2018 da Bienal de Ilustrações de Bratslava. Seu livro Pode pegar foi selecionado como um dos 30 melhores do ano pela revista Crescer(2018) e foi publicado no Uruguai pela Editora Topito.

Curso: Seis análises sociológicas e estéticas no cinema

MIS
(foto: Site MIS)

Data: de 01 a 12 de julho (06 encontros)
Horário: de 2ª, 4ª, 5ª e 6ª feira, das 19h às 22h
Local: Auditório LABMIS (64 lugares)
Valor: R$120

Sinopse: O curso aborda a análise fílmica e estética do cinema em seis filmes de ficção, do gênero dramático, produzidos nas duas últimas décadas, tendo como eixo condutor a temática pela história e pela teoria crítica sociológica.

Serão exibidos os seguintes filmes, seguidos da análise realizada pelo professor a partir da temática exposta:

Segunda-feira ao sol (Los Lunes al Sol, Dir. Fernando León de Aranoa, Espanha, 2002, 113 min): aborda como a reestruturação produtiva espanhola atacou os trabalhadores da indústria naval.

O corte (Le Couperet, Dir. Costa-Gavras, Bélgica/França, 2005, 122 min): filme do consagrado diretor grego Costa-Gavras que faz uma excelente reflexão sobre a corrosão do caráter na sociedade ultraconcorrencial do capitalismo avançado.

Biutiful (Biutiful, Dir. Alejandro González Iñarritu, México/Espanha, 2010, 130 min): fala sobre os imigrantes superexplorados em Barcelona que realizam trabalhos clandestinos para sobreviver

Bem-vindo (Welcome, Dir. Philippe Lioret, França, 2009, 110 min): trata do preconceito racial e dos fluxos migratórios originados por guerras ou outras catástrofes a partir de seu protagonista, um iraquiano que viaja clandestinamente do Iraque à Albânia e, de lá, à França, até chegar a Londres.

Persépolis (Persepolis, Dir. Marjane Satrapi, França, 2007, 95 min): cinebiografia em animação realizada pela artista Marjane Satrapi sobre a Revolução Iraniana, que acabou oprimindo as mulheres e a esquerda política devido ao fundamentalismo religioso, afetando os costumes de toda uma nação por gerações.

Afterimage (Afterimage, Dir. Andrzej Wajda, Polônia, 2016, 98 min): último filme do consagrado diretor Wajda, aborda a cinebiografia de Wladyslaw Strzeminski, artista de vanguarda que viveu grandes dificuldades na Polônia da era stalinista devido ao jdanovismo que imperou nas concepções esquemáticas artísticas àquela altura no Leste Europeu.

Sobre o Professor: Claudinei Cássio de Rezende é professor de História da Arte na PUC-SP, doutor e mestre em Ciências Sociais pela Unesp (Fapesp), bacharel e licenciado em Ciências Sociais e licenciado e especialista em História. Pesquisador do Núcleo de Estudos de História: Trabalho, Ideologia e Poder (NEHTIPO – PUC/SP CNPq) vinculado à linha de pesquisa Ontologia, História e Arte. Possui um livro publicado pela Editora Unesp, escolhido pelo Programa de Pós- Graduação em Ciências Sociais da Unesp. Atualmente é pós-doutorando em História Moderna pela PUC-SP. (http://lattes.cnpq.br/6120520597159844)

 

Curso: Björk: Paradigmas do Pós-Humanismo.exe

MIS
(foto: Site MIS)

Data: de 11 a 23 de julho(04 encontros)
Horário: de 3ª e 5ª feira, das 19h às 22h
Local: Auditório LABMIS (64 lugares)
Valor: R$120,00

Sinopse: A cultura pop é um espelho social dos valores éticos e estéticos do contemporâneo. Björk é um dos ícones culturais mais importantes do século 20. Em quatro décadas de carreira, a islandesa desafiou o status quo musical ao se posicionar como uma artista transmídia – seu legado trata-se de um complexo conglomerado estético que flui entre videoclipe, cinema, poesia, moda, tecnologia, fotografia e filosofia.

Importante enquanto ícone feminista, Björk sempre denunciou a estrutura masculinista da indústria e mudou para sempre as perspectivas do que significa ser mulher no contemporâneo – com frequência, seus shows, seus vocais e seus figurinos alteram nossas percepções acerca de dualidades prostéticas e ficções biopolíticas como masculino e feminino, humano e animal, natureza e cultura, real e virtual.

Fascinada com o uso da tecnologia por humanos, Björk é aclamada pela crítica especializada, por combinar um número infinito de gêneros musicais – é impossível enquadrá-la em apenas um estilo; a islandesa perpassa música eletrônica, jazz, trip-hop, folk ou ethereal wave – mantendo-se eternamente inclassificável.

À luz de teóricas feministas como Donna Haraway, Judith Butler e Paul Beatriz Preciado, bem como pensadores como Deleuze, Nietzsche e Foucault, o curso explora tópicos relacionados à indústria cultural, o devir-ciborgue, a tecnocultura, e a desterritorialização dos corpos – em uma jornada tão pulsante quanto uma música de Björk.

Aula 1 – A construção do ícone POP:

Aula 2 – Música e Tecnocultura:

Aula 3 – Remixando Nietzsche: a contrassexualidade em Björk

Aula 4 – Constelações experimentais: artistas pós-Björk

Sobre o professor: Alisson Prando é filósofo pesquisador pelo CNPq das temáticas de gênero, sexualidade e feminismo, principalmente através de perspectivas de Judith Butler. Atua também como blogueiro e jornalista nos portais Disco Punisher e What Else Mag, onde entrevistou mais de 200 ícones pop – de Caetano Veloso a Charli XCX, de Elza Soares a Pabllo Vittar, de artistas da nova MPB e MPBicha. Criou o curso Politizando Beyoncé: Raça, Gênero e Sexualidade, que versa sobre estudos de mídia, estudos raciais e transviados, e foi considerado pelo HuffPost como “tudo o que você precisa e não sabia”.

 

Curso: Matrix e a Ficção Científica

MIS
(foto: Site MIS)

Data: de 17 a 26 de julho (04 encontros)
Horário: de 4ª e 6ª feira, das 19h às 22h
Local: Auditório LABMIS (64 lugares)
Valor: R$120

Sinopse: Um dos filmes mais emblemáticos do fim dos anos 1990, Matrix marcou gerações pelo seu grande apelo visual, temática intrigante e abordagem pop de temas filosóficos. Após 20 anos desse lançamento, o curso propõe quatro encontros para discutir diversos aspectos do longa.

Aula 1: Introdução à Matrix

Aula 2: Matrix e a filosofia

Aula 3: Matrix e religião

Aula 4: Tecnologia e sociedade

Sobre a professora

Cláudia Fusco é jornalista e mestre em Science Fiction Studies pela Universidade de Liverpool, Inglaterra. É pesquisadora de mitos, folclore, contos de fadas e literatura especulativa. Colaborou para o especial de ficção científica da revista Mundo Estranho e foi colunista do site Contraversão, escrevendo semanalmente. Já participou de conferências internacionais. Ministrou aulas na USP, Casa do Saber, Youpix (por voto popular), entre outros.


Curso: Conservação de acervos fotográficos

MIS
(foto: Site MIS)

Data: de 1 a 04 de julho (04 encontros)
Horário: de 2ª, 3ª, 4ª e 5ª feira, das 09h às 12h
Local: Sala Multiuso (20 vagas)
Valor: R$150

Sinopse: O curso apresenta conceitos e procedimentos de conservação preventiva de diferentes suportes e processos fotográficos, introduzindo os participantes na realização de diagnósticos e ações de conservação desta tipologia de acervo, além de propor soluções de conservação de acordo com a realidade das instituições.

As aulas serão expositivas em diálogo com práticas de procedimentos de identificação de processos, manuseio, higienização e acondicionamento.

Sobre os professores

Ana Paula Ferreira Pinto Silva atua desde 2003 na área de conservação dos acervos do Museu da Imagem e do Som (MIS) de São Paulo, com experiências práticas na conservação de papéis e na conservação de suportes fotográficos. Trabalhou em projetos de conservação na Fundação Bienal de São Paulo de 2007 a 2009, na FAU-USP de 2006 a 2007 e na Nestlé em 2005.

Cecilia Salamon é graduada em História pela USP, possui cursos na área de conservação de papéis pelo SENAI, pela ABER e pelo Arquivo do Estado. Atualmente atua na área de conservação no Museu da Imagem e do Som e foi responsável pela higienização e reconstituição dos negativos de vidro danificados do Acervo MIS.

Rodrigo Antonio da Silva é graduado em História pela USP, cursa especialização em Gestão Arquivística pela FESPSP e atua na conservação e no acondicionamento dos documentos do acervo arquivístico do MIS. Foi coautor de duas produções técnicas da instituição: o Catálogo do Fundo MIS e o Guia de Fundos e Coleções do Acervo Arquivístico.

CURSOS MIS: FÉRIAS DE JULHO

Mais informações e inscrições acesse o site do MIS.